Resenha do livro O guia politicamente incorreto da economia brasileira

Como você reagiria se tudo o que você aprendeu ou tudo o que lhe ensinaram até hoje é, em parte, mentira! E se o salário mínimo, ao invés de causar bem ao trabalhador, lhe tira o emprego? E a CLT e as leis trabalhistas, será que que se lhe contassem como ela causa desemprego você acreditaria?
Pois é esse o ponto do livro: desmistificar e, creio eu, com argumentos bastante convincentes , os mitos que sempre acreditamos e que muitas vezes julgamos loucos quem tomasse tais medidas.
O livro vai na ferida de muita gente, principalmente na galera da esquerda e dos sindicatos, os principais criticados no livro. Você paga a contribuição sindical obrigatória e esse dinheiro vai pro sindicato. Mas ele faz o quê com ele? Ninguém sabe ao certo.
Outro ponto de fundamental importância no livro é a discussão do liberalismo econômico e da abertura de mercado ao capital estrangeiro. Como os governos fazem para proteger empresários
nacionais gananciosos ao custo do nacionalismo irracional. O célebre caso do ermitão ilustra muito bem.
Após a leitura desse livro você vai entender que a lei da oferta e da procura é a lei que define o quanto vale alguma coisa, inclusive o seu emprego. Uma parte muito bem explorada é o decréscimo demográfico da população pobre brasileira. Menos pessoas nascendo significa um número de vagas com menos concorrência e possivelmente com salário um pouco maiores. Patrões não pagam pouco por que são ruins, e sim por que tem gente demais querendo o mesmo emprego, assim como um emprego com menos profissionais terá um salário um pouco maior.
Leandro Narloch coloca uma boa narrativa, muito boa de ler e com um conteúdo que irá lhe agregar em muita coia pra vida. O recomendável é ler pelo menos um livo do usados na bibliografia para se ter um aprofundamento maior da causa.
Sem dúvida, é um livro que merece ser lido!

Comentários

Postagens mais visitadas

A influência da mídia nos dias atuais

Resenha do livro 1808, de Laurentino Gomes

Capacidade e Incapacidade no Código Civil de 2002