Pular para o conteúdo principal

Resenha do livro O guia politicamente incorreto dos presidentes da república, de Paulo Schmidt

O livro, como o título tão famoso do politicamente incorreto sugere, desmistifica ações e pessoas que eram quase que intocáveis na visão do povo. O livro é muito bom, no entanto, não deve ser a única fonte de leitura para quem quer saber pelo menos o mínimo sobre a nossa pequena história presidencial.
O livro é tendencioso em algumas partes, mas afinal, o que deveríamos esperar? Sempre é bom saber os dois lados da moeda, por isso, leiam livros de ideologias contrárias também!
Com toda a certeza esse livro irá lhe render boas risadas e se você for lê-lo em público, é melhor se controlar. Li o livro durante o trajeto das barcas Rio-Niterói e o livro sempre me arrancava risadas boas. Parecia muito maluco no meio daquele povo de terno quando  gargalhava sobre os apetrechos dos presidentes ou das bizarras descrições do autor sobre os hábitos presidenciais.
Como todos os guias politicamente incorretos, o autor põe fatos e argumentos com certa autoridade e base. Cita vários economistas importantes mas com a leveza de uma boa prosa. O autor do primeiro livro da série, Leandro Narloch, diz que o objetivo desse tipo de livro é divulgar, popularizar a história. O que vem sendo muito bem feito pelos livros da série, que são sucesso de vendas, no entanto, as críticas...nem tanto.
O livro O guia politicamente incorreto dos presidentes da república, como é óbvio pelo próprio título, explora o tema da nossa história "republicana", que começa em 1889 com o golpe do marechal Deodoro da Fonseca.
O livro conta a história dos nossos 40 presidentes (com exceção do Michel Temer, que tornou-se depois da edição do livro) com bastante foco na política na econômica. Eu que já li o Guia Politicamente Incorreto da Economia Brasileira vi muita semelhança entre os dois.Essas histórias vão desde acontecimentos históricos, como os atos preparatórios do golpe de 1889 até o as cartas de amor por animais de um determinado presidentes:
Aqui passamos todos (eu, especialmente, sofri muito) por um golpe tremendo. Aquele meu cão, tão belo, tão forte, tão meigo, tão meu amigo — o Beijo — morreu! [...] Morreu de um mal de cadeiras, o pobre! A sua agonia, tão lenta, tão dolorosa — e em meio dela, tão sugestiva a minha amizade e de Anita — ainda nos traz tristes e inconsoláveis. Por um filho, quem sabe, eu não sofreria tanto.
Quem teria escrito relato tão amoroso e engraçado ao mesmo tempo?
Sem falar ainda no presidente que fez uma capital e tinha mais medo da esposa do que do diabo. Outra situação que certamente lhe arrancará muitos risos.
No entanto, uma parte que discordo do livro e da série como um todo é a crítica demasiada ao governo Lula. Como todos sabemos, não foi um governo muito honrado mas que tem lá sua qualidades em alguns pontos. Embora não seja esquerda, vejo as críticas do autor como sendo uma crítica mais de viés político do que de cunho propriamente histórico.
Sem dúvida alguma é uma leitura que vale muito a pena e que será de grande valia. Melhor que ler romances!

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

A influência da mídia nos dias atuais

Tanto fiel é sua mídia quanto fiel é o seu povo! As emissoras de TV, rádio e principalmente a internet, principal meio de comunicação utilizado por nossa geração influencia mais do que imaginamos. Textos com manipulação, com sentido controverso ou ''puxando sardinha'' para X ou Y são frequentes. Diante disso temos que estar bem atentos ao que lemos, ouvimos e vemos na internet: podemos criar dogmas fictícios, errôneos por influência da mídia. Hoje em dia, na era da informação rápida, conexão super-rápidas somos bombardeados por informações de todos os lados. Estamos no período da humanidade que mais se produz informação: nos jornais, revistas, tv's, blog, etc. São diversos os meios que a evolução nos proporcionou, e temos que aproveitá-las por demais, pois nunca foi tão fácil saber das notícias, da história, de vários assuntos de nosso interesse. Nos mais variados sites da internet, temos conteúdos voltados à educação, saúde, lazer: nunca foi tão fácil aprender e ens…

Resenha do livro 1808, de Laurentino Gomes

1808, de Laurentino Gomes
Título : 1808
Autor : Laurentino Gomes
Ano: 2008
Onde Comprar: AmericanasSubmarinoLivraria Cultura Saraiva Este é o primeiro livro do autor paranaense Laurentino Gomes. O autor, que não é um historiador de formação, mostra seu talento na narrativa do seu livro-reportagem com observações bastante cabíveis sobre D. João VI e das peculiaridades da corte que veio fugida para o Brasil.
D. João
O livro tem como seu principal personagem D. João VI, príncipe regente que viria a ser rei de Portugal com a morte de sua mãe, D. Maria I. Laurentino descreve o rei como sendo um sujeito tomado pelo medo de tomar decisões, deixando-as sempre para a última hora. Sempre que podia adiava decisões importantes, adiava, e quando as tomava, tinha sempre por trás a palavra de seus conselheiros, em especial D. Rodrigo de Sousa Coutinho ou o Conde de Linhares.
Fugidos
 A vinda da família real ao Brasil não aconteceu dos mais belos modos e nem por vontade deles. Àquele tempo, Napoleão Bonaparte…

Resenha do livro As religiões que o mundo esqueceu

Uma obra que merece ser lida por todos para que possamos compreender o que somos hoje, mesmo que professemos religiões diversas. O livro é uma base para a compreensão histórica e social das transformações, agregações, mortes e agregações que todas as religiões que existiram e que ainda existem sofreram.
O livro é organizado por Pedro Paulo Funari, pesquisar brasileiro dedicado principalmente a arqueologia. O livro é composto por textos do próprio Paulo Funari, Alexandre Navarro, Ana Donnard, Betty Mindlin, Flávia Galli Tatsch, Johnni Langer, Júlio Cesar Magalhães, Júlio Gralha, Leandro Karnal, Luiz Alexandre Rossi, Paulo Nogueira, Renata Senna Garraffoni e Sérgio Alberto Feldman, todos autores com enorme conhecimento em diversas áreas históricas.
Como o próprio título sugere, o livro trata das religiões antigas que o mundo esqueceu, morreram, não existem mais. O livro divide-se em capítulos dedicados a cada religião, como a dos egípcios, gregos, celtas, vikings, coptas, albigenses, c…