Pular para o conteúdo principal

Resenha do livro O consumidor de baixa renda

Este pequeno livro trata da classe social de maior número no Brasil: a classe C e subsidiariamente das classes D e E. Escrito por Marcelo da Rocha Azevedo e Elyseu Mardegan Jr., o livro aborda variados temas sobre os hábitos de consumo dos "menos abastados" e da sua importância no cenário da economia nacional.
Quem já ouviu uma frase do tipo "meu dinheiro é igual ao do bacana" sabe bem o sentimento vivido há algum tempo atrás pela classe C no Brasil. Uma classe social numerosa mas ao mesmo tempo esquecida.
Muitos especialistas atribuem ao governo petista o grande avanço social da classe C e principalmente das classes D e E, tanto no cenário econômico quanto no social. Mudou-se os hábitos de consumo e consequentemente os hábitos de vida das pessoas, que deixaram de ser meros espectadores e passaram a fazer parte da roda de consumo, fazendo parte de um meio social/cultural nunca antes vivido.
A ascensão dessas classes deu-se em muito pelo empoderamento do salário mínimo frente a inflação, gerando no valor básico salarial relevante aumento real do poder de compra. Antes, o dinheiro não sobrava ou mal dava para honrar as contas básicas, entretanto, quando tal valor passa a ter aumentos reais, a renda do trabalhador, que antes destinava-se quase que exclusivamente a insumos básicos, passa a ser usada, no seu excedente, para adquirir bens antes tidos como "supérfluos ou coisas de rico".
Outro fator importante é o marketing, que teve que curvar-se frente ao poder econômico que essa classe social tem. Não muito tempo atrás, propagandas luxuosas e complicadas eram comumente veiculadas nos veículos de massa. O que se observa hoje é um processo de simplificação da comunicação, visando principalmente atingir esse público, que não tem alto grau de escolaridade, mas que anseia novos produtos. Observa-se muito bem esse fato nos comerciais curtos e repetitivos. Observe bem nos comerciais das casas bahia ou da ricardo eletro que terá bem uma noção dessa mudança.
O livro aborda também o tema da fidelização do cliente de baixa renda e como isso se dá. O capítulo de maior relevância da obra. Os autores colocam informações e inferências bastante pertinentes no processo de consumo dessa classe social. Qual a fonte do sucesso dos mercadinhos de bairro aqueles que se conhece o dono, a família do dono e se for o caso, ainda se compra através de meios de crédito como a caderneta (não a de poupança, mas aquela que o consumidor anota da cadernetinha o consumo, que geralmente é mensal). O consumidor de baixa renda prefere os tipos de crédito que não exigem muita burocracia ou "muita papelada" para ser concedido. Lugares que exigem muitos comprovantes são logo descartados. Novamente observa-se o sucesso das casas bahia, que não exige muita burocracia para conceder crédito, o que resulta em muitas vendas.
O consumidor de baixa renda é hoje o foco dos grandes vendedores e da mídia, que deram fé da importância social e econômica dessa classe que luta dia-a-dia para obter seu dinheiro e mais do que merecido, quer ser reconhecida e incluída nas rodas do meio social. O livro é um verdadeiro mapa da mina do pensamento desse tipo de consumidor e deveria ser lido por quem trabalha com esse público, tanto para o aumento das vendas quanto para a melhor satisfação dessa classe que, literalmente, carrega o nosso país nas costas.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

A influência da mídia nos dias atuais

Tanto fiel é sua mídia quanto fiel é o seu povo! As emissoras de TV, rádio e principalmente a internet, principal meio de comunicação utilizado por nossa geração influencia mais do que imaginamos. Textos com manipulação, com sentido controverso ou ''puxando sardinha'' para X ou Y são frequentes. Diante disso temos que estar bem atentos ao que lemos, ouvimos e vemos na internet: podemos criar dogmas fictícios, errôneos por influência da mídia. Hoje em dia, na era da informação rápida, conexão super-rápidas somos bombardeados por informações de todos os lados. Estamos no período da humanidade que mais se produz informação: nos jornais, revistas, tv's, blog, etc. São diversos os meios que a evolução nos proporcionou, e temos que aproveitá-las por demais, pois nunca foi tão fácil saber das notícias, da história, de vários assuntos de nosso interesse. Nos mais variados sites da internet, temos conteúdos voltados à educação, saúde, lazer: nunca foi tão fácil aprender e ens…

Resenha do livro 1808, de Laurentino Gomes

1808, de Laurentino Gomes
Título : 1808
Autor : Laurentino Gomes
Ano: 2008
Onde Comprar: AmericanasSubmarinoLivraria Cultura Saraiva Este é o primeiro livro do autor paranaense Laurentino Gomes. O autor, que não é um historiador de formação, mostra seu talento na narrativa do seu livro-reportagem com observações bastante cabíveis sobre D. João VI e das peculiaridades da corte que veio fugida para o Brasil.
D. João
O livro tem como seu principal personagem D. João VI, príncipe regente que viria a ser rei de Portugal com a morte de sua mãe, D. Maria I. Laurentino descreve o rei como sendo um sujeito tomado pelo medo de tomar decisões, deixando-as sempre para a última hora. Sempre que podia adiava decisões importantes, adiava, e quando as tomava, tinha sempre por trás a palavra de seus conselheiros, em especial D. Rodrigo de Sousa Coutinho ou o Conde de Linhares.
Fugidos
 A vinda da família real ao Brasil não aconteceu dos mais belos modos e nem por vontade deles. Àquele tempo, Napoleão Bonaparte…

Resenha do livro As religiões que o mundo esqueceu

Uma obra que merece ser lida por todos para que possamos compreender o que somos hoje, mesmo que professemos religiões diversas. O livro é uma base para a compreensão histórica e social das transformações, agregações, mortes e agregações que todas as religiões que existiram e que ainda existem sofreram.
O livro é organizado por Pedro Paulo Funari, pesquisar brasileiro dedicado principalmente a arqueologia. O livro é composto por textos do próprio Paulo Funari, Alexandre Navarro, Ana Donnard, Betty Mindlin, Flávia Galli Tatsch, Johnni Langer, Júlio Cesar Magalhães, Júlio Gralha, Leandro Karnal, Luiz Alexandre Rossi, Paulo Nogueira, Renata Senna Garraffoni e Sérgio Alberto Feldman, todos autores com enorme conhecimento em diversas áreas históricas.
Como o próprio título sugere, o livro trata das religiões antigas que o mundo esqueceu, morreram, não existem mais. O livro divide-se em capítulos dedicados a cada religião, como a dos egípcios, gregos, celtas, vikings, coptas, albigenses, c…