Pular para o conteúdo principal

Congresso podre, culpa do povo?

O nosso Congresso Nacional é composto pelo Senado federal, composto por representantes dos Estados da federação e pela Câmara dos Deputados, composta por Deputados Federais, representantes do povo. No Brasil adotamos o sistema representativo, ou seja, votamos em políticos para que os mesmos representem nossa vontade. Há o sistema majoritário, no qual o voto é nominal, a exemplo os votos para Presidente da República, Governador, etc. e há também o sistema proporcional, pelo qual votamos em determinado partido ou coligação - que tem cunho ideológico - que terá determinada porcentagem de vagas de acordo com o número de votos.
Diante do exposto acima, é forçoso notar que a grande maioria da população desconhece a estrutura do poder legislativo. Uma pessoa comum vota no deputado X, que pertence a um partido ou coligação, que terá uma porcentagem de vagas dependendo da quantidade de votos recebida. Mas para o leigo, o voto não é para o partido, a ideologia, mas sim para o próprio deputado. A maioria das pessoas desconhece o sistema proporcional de votos, adotado aqui no Brasil para cargos nas assembleias e nas câmaras municipal e dos deputados federais.
Passado a breve explicação acima, passemos a nossa situação atual. Como é sabido por quase todos, vivemos uma das mais graves recessões de direitos, que serão levadas à cabo pelo Presidente Michel Temer. Já vimos a grande derrota na lei da terceirização. Ficará pior, bem pior com a aprovação da "reforma da previdência" e da "reforma trabalhista", que, ao que tudo indica será concretizada, muito embora haja uma grande comoção popular a nível nacional.
O papel que a mídia exerce nesse escracho aos direitos é de uma tremenda covardia. Os protestos durante a paralisação nacional ocorrida em 28 de abril desse ano mostra bem como a mídia é muito tendenciosa quando rola dinheiro. Uma notícia de âmbito nacional foi mal, muito mal noticiada pelo Jornal Nacional, que para azar nosso é o telejornal com maior audiência. Não bastasse a desnotícias, invertiam os valores, chamando de vândalos os manifestantes. Mas enfim...
Voltando ao tema das ideologias, como já falei, votamos nos partidos, que tem uma lista aberta de políticos, ou seja, os mais votados entraram primeiro. O que pode ser "burlado" de forma legal quando usa-se da ingenuidade do povo para eleger políticos-barco, que com número enorme de votos, elege a si e a vários outros na sua aba. 
- "lembra de mim abestado". 
Dos males o menor. 
Na conjunta ideológica internacional tem-se observado a ascensão monstruosa da direta e timidamente da extrema direita, grupos que são historicamente contra políticas socialistas, tendo posições conservadoras, acrescentadas mais ainda pelo cunho religioso e nacionalista. Vemos bem isso na quase que homogeneidade do nosso congresso, que tem três principais bancadas: a da bala, ruralista e a da bíblica. A primeira, com cunho majoritariamente militar defende a todo custo o cidadão de "bem" e a defesa da família, assim como o uso da força policial intensa na repressão da criminalidade. A ruralista, financiada pelos grupos agropecuários defende os interesses seus face aos defensores do meio ambiente (para espanto e na calada, votaram projeto de lei que altera lei de trabalho rural,tornando-o escravo). E por último, a bancada bíblica, composta em sua grande maioria por pastores evangélicos, que tem interesses comuns ou quase iguais aos da bancada da bala. O que assusta muito em tudo isso é que esses senhores, que usam de cargo público onde deveriam representar os interesses do povo, simplesmente desprezam a vontade popular, que diga-se de passagem, é o legítimo detentor do poder. No entanto, belas palavras ocas tacadas.
Faço a pergunta: a culpa do nosso congresso estar evidentemente contaminado é diretamente do povo? A resposta é sim e não. 
A brasileiro tem a fama de memória curta, o que se agrava quando contata-se que nossa escolaridade bem como nossa vontade de adquirir conhecimento é muito pouca. Lemos pouco mais de 4 livros por ano, em média. Bom seria se o problema fosse esse, pois dados recentes mostram que a grande maioria são analfabetos funcionais, que sabem ler mas pouco ou quase nada entendem. Pode-se então culpar o povo que é manobrado pela mídia e pelos políticos? Sim e não. Podemos culpar alguém por isso ou os culpados somos todos nós, a nação?  Bem verdade que sofremos muito com a colonização, mas essa ferida é sempre usada como desculpa. Por que nunca achamos o curativo? 
Infelizmente a mente conservadora não deixa aflorar o novo pensamento, da livre determinação, vemos isso com mais clareza quando em pleno século XXI o Brasil ainda tem muito, e ponha-se muito nisso, preconceito com negros e determinados grupos minoritários. O Brasil cresceu economicamente, entretanto, somos gigantes quase que anencéfalos que se orgulham de coisas inúteis.
A culpa disso tudo que vivemos hoje é do povo, de certa forma, todavia, olhar para essa massa com desdém não melhora o problema. A educação é a solução desse nosso problema histórico, mas, mais uma vez o que vemos é o poder político freando cada vez mais o avanço na educação. Querem deixar tudo como está, a base de cerveja gelada, mulher bonita e futebol na tela da globo. Entretanto, uma nação digna míngua na porta de hospitais, aguarda na justiça. Não quer se nagar os nossos valores culturais já estabelecidos, mas que esses não sejam usados para tapar a visão dos problemas que aqui acontecem.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

A influência da mídia nos dias atuais

Tanto fiel é sua mídia quanto fiel é o seu povo! As emissoras de TV, rádio e principalmente a internet, principal meio de comunicação utilizado por nossa geração influencia mais do que imaginamos. Textos com manipulação, com sentido controverso ou ''puxando sardinha'' para X ou Y são frequentes. Diante disso temos que estar bem atentos ao que lemos, ouvimos e vemos na internet: podemos criar dogmas fictícios, errôneos por influência da mídia. Hoje em dia, na era da informação rápida, conexão super-rápidas somos bombardeados por informações de todos os lados. Estamos no período da humanidade que mais se produz informação: nos jornais, revistas, tv's, blog, etc. São diversos os meios que a evolução nos proporcionou, e temos que aproveitá-las por demais, pois nunca foi tão fácil saber das notícias, da história, de vários assuntos de nosso interesse. Nos mais variados sites da internet, temos conteúdos voltados à educação, saúde, lazer: nunca foi tão fácil aprender e ens…

Resenha do livro 1808, de Laurentino Gomes

1808, de Laurentino Gomes
Título : 1808
Autor : Laurentino Gomes
Ano: 2008
Onde Comprar: AmericanasSubmarinoLivraria Cultura Saraiva Este é o primeiro livro do autor paranaense Laurentino Gomes. O autor, que não é um historiador de formação, mostra seu talento na narrativa do seu livro-reportagem com observações bastante cabíveis sobre D. João VI e das peculiaridades da corte que veio fugida para o Brasil.
D. João
O livro tem como seu principal personagem D. João VI, príncipe regente que viria a ser rei de Portugal com a morte de sua mãe, D. Maria I. Laurentino descreve o rei como sendo um sujeito tomado pelo medo de tomar decisões, deixando-as sempre para a última hora. Sempre que podia adiava decisões importantes, adiava, e quando as tomava, tinha sempre por trás a palavra de seus conselheiros, em especial D. Rodrigo de Sousa Coutinho ou o Conde de Linhares.
Fugidos
 A vinda da família real ao Brasil não aconteceu dos mais belos modos e nem por vontade deles. Àquele tempo, Napoleão Bonaparte…

Resenha do livro As religiões que o mundo esqueceu

Uma obra que merece ser lida por todos para que possamos compreender o que somos hoje, mesmo que professemos religiões diversas. O livro é uma base para a compreensão histórica e social das transformações, agregações, mortes e agregações que todas as religiões que existiram e que ainda existem sofreram.
O livro é organizado por Pedro Paulo Funari, pesquisar brasileiro dedicado principalmente a arqueologia. O livro é composto por textos do próprio Paulo Funari, Alexandre Navarro, Ana Donnard, Betty Mindlin, Flávia Galli Tatsch, Johnni Langer, Júlio Cesar Magalhães, Júlio Gralha, Leandro Karnal, Luiz Alexandre Rossi, Paulo Nogueira, Renata Senna Garraffoni e Sérgio Alberto Feldman, todos autores com enorme conhecimento em diversas áreas históricas.
Como o próprio título sugere, o livro trata das religiões antigas que o mundo esqueceu, morreram, não existem mais. O livro divide-se em capítulos dedicados a cada religião, como a dos egípcios, gregos, celtas, vikings, coptas, albigenses, c…