Pular para o conteúdo principal

Resenha de O Albatroz Azul, de João Ubaldo Ribeiro

Antes de começar a falar deste excelente livro, quero deixar bem claro que se você não curte o estilo literário brasileiro, muito provavelmente não vai gostar do albatroz azul. O livro, ao contrário das séries mais famosas atualmente, não tem um personagem heroico nem um momento de clímax onde a garotinha indefesa é resgatada ou a bruxa má é morta.

                O livro é uma narrativa simples e bem prazerosa, fácil de ler. Não é a toa que João Ubaldo tornou-se o mestre que é. A história é narrada contando a vida de Tertuliano, o personagem que move toda a história. Como ele mesmo se descreve,  é um velho cansado, já no fim da vida, que apenas espera a morte chegar.
                No entanto, esperava que sua vida não lhe preparasse mais nada. Apenas esperaria a morte, eis que então sua filha Belinha, já mãe de muitos filhos, iria ter mais um. Belinha até então só havia tido filhas, e essa gravidez, segundo a maioria do povo, não reservaria surpresas. Tertuliano, alertado pela voz que não sabia de onde vinha, sabia que dessa vez não seria mais uma mulher e sim um neto.
                A partir desse momento, o livro ganha a narrativa sedosa de Ubaldo, que por entre as linhas conta a história do dia-a-dia das pessoas. O modo como Tertuliano, mesmo contrariando o que todos dizem, prepara com capricho o nome e as roupas do menino, que nascerá.
                Há nesse meio a história da família de Tertuliano e de  suas escolhas, que mudaram totalmente o rumo de sua vida. Como ele abdicou de tornar-se rico em Portugal e viver no Brasil.
                Confesso que esperava um pouco mais do final, como o desenrolar da história do menino. Mas mesmo assim, o final foi teve um quê de enigmático. Pedras falantes e marujos holandeses e o próprio Tertuliano deixam no ar a sensação de que a vida não termina com a morte.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

A influência da mídia nos dias atuais

Tanto fiel é sua mídia quanto fiel é o seu povo! As emissoras de TV, rádio e principalmente a internet, principal meio de comunicação utilizado por nossa geração influencia mais do que imaginamos. Textos com manipulação, com sentido controverso ou ''puxando sardinha'' para X ou Y são frequentes. Diante disso temos que estar bem atentos ao que lemos, ouvimos e vemos na internet: podemos criar dogmas fictícios, errôneos por influência da mídia. Hoje em dia, na era da informação rápida, conexão super-rápidas somos bombardeados por informações de todos os lados. Estamos no período da humanidade que mais se produz informação: nos jornais, revistas, tv's, blog, etc. São diversos os meios que a evolução nos proporcionou, e temos que aproveitá-las por demais, pois nunca foi tão fácil saber das notícias, da história, de vários assuntos de nosso interesse. Nos mais variados sites da internet, temos conteúdos voltados à educação, saúde, lazer: nunca foi tão fácil aprender e ens…

Resenha do livro 1808, de Laurentino Gomes

1808, de Laurentino Gomes
Título : 1808
Autor : Laurentino Gomes
Ano: 2008
Onde Comprar: AmericanasSubmarinoLivraria Cultura Saraiva Este é o primeiro livro do autor paranaense Laurentino Gomes. O autor, que não é um historiador de formação, mostra seu talento na narrativa do seu livro-reportagem com observações bastante cabíveis sobre D. João VI e das peculiaridades da corte que veio fugida para o Brasil.
D. João
O livro tem como seu principal personagem D. João VI, príncipe regente que viria a ser rei de Portugal com a morte de sua mãe, D. Maria I. Laurentino descreve o rei como sendo um sujeito tomado pelo medo de tomar decisões, deixando-as sempre para a última hora. Sempre que podia adiava decisões importantes, adiava, e quando as tomava, tinha sempre por trás a palavra de seus conselheiros, em especial D. Rodrigo de Sousa Coutinho ou o Conde de Linhares.
Fugidos
 A vinda da família real ao Brasil não aconteceu dos mais belos modos e nem por vontade deles. Àquele tempo, Napoleão Bonaparte…

Ivo cassol e a indecisão

Hoje o presidente do senado, Renan Calheiros (PMDB-AL) se prounuciou sobre o caso da cassação do senador Ivo cassol. O presidente do senado disse que aguarda ainda o trâmite do processo, visto que a defesa do senador recorreu  à decisão do STF, que condenou o senador a 4 anos e 8 meses de prisão em regime semi-aberto. Renan calheiros divulgou que não irá emitir nenhuma decisão sobre a possível cassação de Ivo cassol até que o STF nãp conceda mais recursos. O STF mudou a sentença, que de início, seria a perda de mandato automaticamente, sem necessidade de passar pelo congresso. Com a nova forma adotada, Ivo cassol será julgado pelos parlamentares, que decidiram se ele irá continuar seu mandato como senador. Este é um caso muito ímpar em Brasília, já que o senador pode ser um prisioneiro e ao mesmo tempo um senador: seu regime será semi-aberto, então ele poderá exercer sua função de senador durante o dia e dormir na cadeia durante a noite. Definitivamente um bandido no senado. Sincerame…