Diferença entre Princípios Fundamentais e Direitos e Garantias Fundamentais

A diferença é meramente nominal.
Os princípios fundamentais tratam da base no qual o governo se funda e nele vem escrito a forma de governo, a organização dos poderes, os objetivos da república e as relações internacionais.
Já os direitos e Garantias Fundamentais são os direitos de toda pessoa que está sob a jurisdição brasileira.
O que diferencia os dois conceitos é o objetivo. O Título I, norteia a organização do Estado, traz seus objetivos. Já o Título II traz a interação individual que os objetivos marcados no Título I façam valer-se na vida real.
Temos como exemplo a aplicação dos objetivos da nação. Diz o Art. 3º da CF/88:
Constituem objetivos fundamentais da república federativa do Brasil:
I - construir uma sociedade livre, justa e solidária;
II - garantir o desenvolvimento nacional; 
III - erradicar a pobreza e a marginalização e reduzir as desigualdades sociais e regionais; 
IV - promover o bem de todos, sem distinção de origem, raça, cor, sexo, idade e quaisquer outras formas de discriminação
Nesses quatro parágrafos, estão discriminados os objetivos da nossa nação. Tomando uma interpretação breve, nota-se a intenção do legislador em descrever os objetivos, ou seja, coisas que ainda não foram alcançadas por nossa nação. Infere-se que somos uma sociedade privativa, injusta, egoísta, em desenvolvimento, com bolsões de pobreza e que tem instalado ainda no seio social preconceito.
No Título II, são discriminados os princípios que norteiam nossas relações sociais e que são a base para parte do nosso ordenamento infraconstitucional. Podemos citar um exemplo, o parágrafo I da Art. 5º traz o princípio da legalidade, que também está presente no Art. 1º do Código Penal.
Vou ficando por aqui. Quem discorda, comenta abaixo, se achou legal e foi útil, compartilhe com seus amigos.
Um abraço amigos do direito.

Comentários

Postagens mais visitadas

A influência da mídia nos dias atuais

Resenha do livro 1808, de Laurentino Gomes

Capacidade e Incapacidade no Código Civil de 2002