Pular para o conteúdo principal

Blogger ou WordPress?


Há sempre uma eterna disputa entre as duas plataformas de blogs mais populares atualmente. Cada um com suas características, ambas têm muitos fãs em todo o mundo, cada uma com seu modo. Você, prefere Blogger ou WordPress?
Eu uso o blogger e particularmente, não tenho nada de pontos negativos para atribuir à plataforma. Mas há muitos que o criticam pelo fato de ser uma plataforma que não permite uma edição HML tão grande como o WordPress.org (o WordPress usa linguagem PHP).

Blogger

Criada em 1999, foi comprada pelo Google em 2003 e desde lá vêm tendo melhores significantes. Com o aumento no número de templates, mais serviços integrados, o Blogger tem mais de 3,2 milhões de blogs. Tendo como uma de suas principais características a simplicidade, o Blogger atrai principalmente pessoas que não tem tanto conhecimento em edição de códigos HTML. 
Para adicionar funcionalidades, basta apenas acessar o menu do próprio site adicionar desde o perfil do +Google, gadget para reunir seguidores até funcionalidades com códigos HTML, que pode ser a caixa de like do Facebook, Twitter, e vários outros gadgets que existem em vários sites da internet.
O diferencial do Blogger foi inovar sendo a primeira plataforma de Blogs a ser possível postar no site da plataforma, o que antes não era possível. Na maioria das plataformas, com exceção do WordPress.com, que funciona de forma assemelhada ao Blogger, era possível postar somente acessando os arquivos de configuração.

WordPress.org

Nunca confunda WordPress.com e WordPress.org. Embora as duas plataformas sejam administradas pela mesma empresa, a automatic, são plataformas bem diferentes.
A plataforma WordPress.org é de código aberto, sendo a mais usada por editores profissionais. Segundo a maioria dos seus usuários, é ideal para projetos profissionais, e é usando largamente por sites de revistas, lojas virtuais e é inclusive usado nos sites da Tv Globo.
Sua principal característica é que a plataforma é de código aberto, ou seja, permite uma maior possibilidade de edição, adicionando mair funcionalidades, edição de layout, enfim, permite mexer em todo o site, o que não é possível quando se usa o blogger.
Para usar o WordPress.org é preciso fazer upload dos arquivos de configuração, que podem ser baixados no site da plataforma e devem usar um banco de dados, sendo a mais popular a MySQL. 
Por esses quesitos é largamente usada por profissionais. É grátis.

WordPress.com

É a plataforma que se assemelha muito ao Blogger. É administrada pela automatic, mesma empresa que administra o wordpress.org. É também muito usada por pessoas, mas tem sua característica por ser mais parecida com uma Rede Social de blogs. Não é permitido usar programa de rentabilização, como o AdSense, que a plataforma repudia. É para quem quer um blog como um hobby e que não deseja ganhar dinheiro com isso. Também tenho blogs lá e aprovo. Tem uma infinidade de templates, que são de ótima qualidade. 
Um contra é que a plataforma exibe anúncios, que segundo a mesma, serve para cobrir os custos com hospedagem dos sites. 

Conclusão

A melhor plataforma é a que você sabe utilizar melhor. Se sabe mexer mais em Blogger, fique no Blogger, ou igualmente no WordPress. O que ira diferenciá-lo dos demais será o seu conteúdo, o que nenhuma plataforma de blogs é capaz de disponibilizar para você. No quesito engajamento em mecanismos de pesquisa, há uma ligeira vantagem do WordPress.org, o que não impede do Blogger, se bem configurado, alcançar resultados bem semelhantes quando bem configurado.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

A influência da mídia nos dias atuais

Tanto fiel é sua mídia quanto fiel é o seu povo! As emissoras de TV, rádio e principalmente a internet, principal meio de comunicação utilizado por nossa geração influencia mais do que imaginamos. Textos com manipulação, com sentido controverso ou ''puxando sardinha'' para X ou Y são frequentes. Diante disso temos que estar bem atentos ao que lemos, ouvimos e vemos na internet: podemos criar dogmas fictícios, errôneos por influência da mídia. Hoje em dia, na era da informação rápida, conexão super-rápidas somos bombardeados por informações de todos os lados. Estamos no período da humanidade que mais se produz informação: nos jornais, revistas, tv's, blog, etc. São diversos os meios que a evolução nos proporcionou, e temos que aproveitá-las por demais, pois nunca foi tão fácil saber das notícias, da história, de vários assuntos de nosso interesse. Nos mais variados sites da internet, temos conteúdos voltados à educação, saúde, lazer: nunca foi tão fácil aprender e ens…

Resenha do livro 1808, de Laurentino Gomes

1808, de Laurentino Gomes
Título : 1808
Autor : Laurentino Gomes
Ano: 2008
Onde Comprar: AmericanasSubmarinoLivraria Cultura Saraiva Este é o primeiro livro do autor paranaense Laurentino Gomes. O autor, que não é um historiador de formação, mostra seu talento na narrativa do seu livro-reportagem com observações bastante cabíveis sobre D. João VI e das peculiaridades da corte que veio fugida para o Brasil.
D. João
O livro tem como seu principal personagem D. João VI, príncipe regente que viria a ser rei de Portugal com a morte de sua mãe, D. Maria I. Laurentino descreve o rei como sendo um sujeito tomado pelo medo de tomar decisões, deixando-as sempre para a última hora. Sempre que podia adiava decisões importantes, adiava, e quando as tomava, tinha sempre por trás a palavra de seus conselheiros, em especial D. Rodrigo de Sousa Coutinho ou o Conde de Linhares.
Fugidos
 A vinda da família real ao Brasil não aconteceu dos mais belos modos e nem por vontade deles. Àquele tempo, Napoleão Bonaparte…

Resenha do livro As religiões que o mundo esqueceu

Uma obra que merece ser lida por todos para que possamos compreender o que somos hoje, mesmo que professemos religiões diversas. O livro é uma base para a compreensão histórica e social das transformações, agregações, mortes e agregações que todas as religiões que existiram e que ainda existem sofreram.
O livro é organizado por Pedro Paulo Funari, pesquisar brasileiro dedicado principalmente a arqueologia. O livro é composto por textos do próprio Paulo Funari, Alexandre Navarro, Ana Donnard, Betty Mindlin, Flávia Galli Tatsch, Johnni Langer, Júlio Cesar Magalhães, Júlio Gralha, Leandro Karnal, Luiz Alexandre Rossi, Paulo Nogueira, Renata Senna Garraffoni e Sérgio Alberto Feldman, todos autores com enorme conhecimento em diversas áreas históricas.
Como o próprio título sugere, o livro trata das religiões antigas que o mundo esqueceu, morreram, não existem mais. O livro divide-se em capítulos dedicados a cada religião, como a dos egípcios, gregos, celtas, vikings, coptas, albigenses, c…