Pular para o conteúdo principal

ADSENSE: UMA BOA FORMA DE RENTABILIZAR SEU BLOG, MAS NÃO A ÚNICA

Olá galera. Recentemente publiquei um vídeo explicando como baixar o arquivo com a lista de e-mails captadas através do FeedBurner. Hoje vou fazer algumas considerações a cerca do Google Adsense, o programa do google para monetizar seu conteúdo e mostrar também outras formas de se monetizar seu blog, com ganhos até maiores que o Adsense.
Bem, vamos logo começar falando o que é o Google Adsense. O Adsense é um programa de publicidade de google que qualquer blogueiro do blogger ou website pode utilizar em seu site. Basicamente funciona assim: o anunciante faz uma campanha publicitária no Google Adwords, e o blogueiro, com o espaço disponível em seu blog, o ''aluga'' ao google para exibir anúncios, e são pagos a cada clique os 1.000 visualizações. É a plataforma monetizável mais usada por blogueiros iniciantes. Para quem tem um tráfego muito alto, é uma boa opção.
Um pouco do Google Adsense:


Oingo, Inc. foi uma empresa privada, localizada em Los Angeles, Iniciada em 1998 por Gilad Elbaz e Adam Weissman. Oingo desenvolveu um algoritmo de busca com base no significado das palavras e seu léxico subjacente, essa tecnologia é chamada WordNet, que foi desenvolvido ao longo dos últimos 15 anos por pesquisadores da Universidade de Princeton, dirigido por George Miller.


Oingo mudou seu nome para Applied Semantics em 2001, que seria mais tarde adquirido pela Google em abril de 2003 em U$ 102 Milhões de dólares.
Em 2009, o  Google AdSense anunciou que iria oferecer novas funcionalidades, incluindo a capacidade de "ativar várias redes para exibir seus anúncios".
Em fevereiro de 2010, o Google criou um algoritmo que usa o histórico de pesquisa dos usuários e assim oferecia anuncios mais relevantes para eles


 Como a maioria já sabe, na maioria das campanhas, o Adsense paga por cada clique em anúncios exibidos, mas também paga por 1000 visualizações de anúncios na página de um mesmo editor. 
Pata você começar a ganhar alguma coisa no Adsense, demora um pouco de tempo. Eu mesmo só ganhei meu primeiro dólar com 2 meses. É necessário manter um bom número de visitantes únicos todos os dias, e constantemente. É necessário também saber alguns termos, que dão uma enorme ajuda na análise dos dados do relatório que o próprio Adsense produz.
Há uma página de suporte do Adsense na internet, onde é explicado cada termo e opção, que se bem analisado a cada dia, a longo prazo, oferece uma boa diretriz de rentabilização.

Outras alternativas ao Google Adsense
Mas, com o tempo alguns acham que o Adense não é tão rentável assim. Na maioria, são blogueiros que não têm um tráfego muito alto o bastante para conseguir um ganho relevante. Já ouvi casos de pessoas que ganhar até U$ 200.000 por mês. Mas é claro, são sites com muito tráfego. Cerca de 100 milhões por mês. Mas se você realmente cansou do Adsense, há muitas outras alternativas de ganhos: as redes de afiliados.

Lomadee:

Lomadde é uma rede de afiliados brasileira muito popular. Faz parte do grupo Buscapé. Lá você exibe anúncios de campanhas de anunciantes, que são na sua maioria, empresas brasileiras do ramo de esportes, livrarias, etc. O diferencial entre a Lomadee e o Adsense é que a lomadee paga por venda, ou seja, não basta apenas o usuário clicar no anúncio para gerar a receita. É necessário que ele efetue uma compra ou ação que gere oue receita, que é definida pelo próprio anunciante. De certo ponto, pode ser mais lucrativa que o Adsense, visto que uma só venda, dependendo do produto vendido, gera comissões de 8, 9 10 % do valor. Se você vender um produto de R$ 1000,00 e tiver uma taxa de comissão alta, terá um bom lucro com um único clique, o que nunca será alcançado com o Adsense, que na grande maioria, paga não mais de U$ 3 ou 4 dólares no máximo por cada clique. 
Hotmart

O hotmart também é um produto do grupo Buscapé. Basicamente é uma vitrine de produtos digitais, como e-books, podcast, cursos em vídeo, etc. Esses conteúdos são produzidos por pessoas e são postos a venda no hotmart. E o hotmart usa os afiliados, que são pessoas interessadas em vender os produtos daquele produtor e dependendo do preço do produto vendido, ganham uma gorda comissão pela venda. Por exemplo, eu divulgo o curso Segredos do Adsense, do editor Jonathan Taioba, que custa R$ 297,00. Caso eu venda um ou dois cursos por mês, já lucro um bom dinheiro. O mesmo que um blog com muito mais tráfego que o meu ganha com o Google Adsense. O ponto negativo é a frequência com que se vende: tem que ser um ótimo divulgador, o que para muitas pessoas não é nenhum problema. É uma ótima fonte de renda.
Outros

Dentre os que eu já citei, existem ainda uma infinidades de programas de rentabilização de sites e blogs. Só para citar os que eu conheço, porém não uso: o egrana, spider, redes de afiliados dos grupos do buscapé, submarino, magazine você (luiza), entre outros. 
O importante não é exibir um monte anúncios de todos esses editores, que só irá gerar insatisfação de cada visitantes ao visitar seu blog. Muitos anúncios são chatos e atrapalham quem vai ler realmente o seu conteúdo. Por isso, nunca é bom abusar, principalmente quando se usa os poup-ups, que são extremamente chatos. O ideal é tentar localizar os espaços clicáveis do seu site, locais onde os anúncios são vistos com mais frequência, o que depende muito de cada nicho que se usa.
Estou terminando por aqui. Este foi meu primeiro artigo aqui no blog e espero que muitos outros também venham. Só lembrando: se você discorda, achou legal ou quer acrescentar alguma coisa, comente mais abaixo. Seu comentário é sempre bem-vindo.
Um abraço!

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

A influência da mídia nos dias atuais

Tanto fiel é sua mídia quanto fiel é o seu povo! As emissoras de TV, rádio e principalmente a internet, principal meio de comunicação utilizado por nossa geração influencia mais do que imaginamos. Textos com manipulação, com sentido controverso ou ''puxando sardinha'' para X ou Y são frequentes. Diante disso temos que estar bem atentos ao que lemos, ouvimos e vemos na internet: podemos criar dogmas fictícios, errôneos por influência da mídia. Hoje em dia, na era da informação rápida, conexão super-rápidas somos bombardeados por informações de todos os lados. Estamos no período da humanidade que mais se produz informação: nos jornais, revistas, tv's, blog, etc. São diversos os meios que a evolução nos proporcionou, e temos que aproveitá-las por demais, pois nunca foi tão fácil saber das notícias, da história, de vários assuntos de nosso interesse. Nos mais variados sites da internet, temos conteúdos voltados à educação, saúde, lazer: nunca foi tão fácil aprender e ens…

Resenha do livro 1808, de Laurentino Gomes

1808, de Laurentino Gomes
Título : 1808
Autor : Laurentino Gomes
Ano: 2008
Onde Comprar: AmericanasSubmarinoLivraria Cultura Saraiva Este é o primeiro livro do autor paranaense Laurentino Gomes. O autor, que não é um historiador de formação, mostra seu talento na narrativa do seu livro-reportagem com observações bastante cabíveis sobre D. João VI e das peculiaridades da corte que veio fugida para o Brasil.
D. João
O livro tem como seu principal personagem D. João VI, príncipe regente que viria a ser rei de Portugal com a morte de sua mãe, D. Maria I. Laurentino descreve o rei como sendo um sujeito tomado pelo medo de tomar decisões, deixando-as sempre para a última hora. Sempre que podia adiava decisões importantes, adiava, e quando as tomava, tinha sempre por trás a palavra de seus conselheiros, em especial D. Rodrigo de Sousa Coutinho ou o Conde de Linhares.
Fugidos
 A vinda da família real ao Brasil não aconteceu dos mais belos modos e nem por vontade deles. Àquele tempo, Napoleão Bonaparte…

Resenha do livro As religiões que o mundo esqueceu

Uma obra que merece ser lida por todos para que possamos compreender o que somos hoje, mesmo que professemos religiões diversas. O livro é uma base para a compreensão histórica e social das transformações, agregações, mortes e agregações que todas as religiões que existiram e que ainda existem sofreram.
O livro é organizado por Pedro Paulo Funari, pesquisar brasileiro dedicado principalmente a arqueologia. O livro é composto por textos do próprio Paulo Funari, Alexandre Navarro, Ana Donnard, Betty Mindlin, Flávia Galli Tatsch, Johnni Langer, Júlio Cesar Magalhães, Júlio Gralha, Leandro Karnal, Luiz Alexandre Rossi, Paulo Nogueira, Renata Senna Garraffoni e Sérgio Alberto Feldman, todos autores com enorme conhecimento em diversas áreas históricas.
Como o próprio título sugere, o livro trata das religiões antigas que o mundo esqueceu, morreram, não existem mais. O livro divide-se em capítulos dedicados a cada religião, como a dos egípcios, gregos, celtas, vikings, coptas, albigenses, c…