Pular para o conteúdo principal

Uma páscoa quase feliz

Nós todos sabemos que páscoa é a época de refletir a cerca dos nossos atos. Para os religiosos, representa o período em que jesus, o símbolo do cristianismo, foi crucificado, segundo a bíblia, em nome dos nosso pecados. A população em geral vai para a igreja tentar ser perdoada de seus pecados. As pessoas não comem carne, por pensar estar ferindo a carne do senhor (eu acho). 
lebre de Eostre

O nome Páscoa
O nome páscoa tem suas origens na palavra Pessach,do idioma hebraico e também do grego Πάσχα. Em outros idiomas, como no espanhol, chamam a festa de Pascua, os italianos de Pasqua , os franceses de Pâques, e também em outras línguas que provavelmente não saiu do hebraico: latim Pascha, azerbaijano Pasxa, basco Pazko, catalão é Pasqua, crioulo haitiano Pak, dinamarquês Påske, Pasko em esperanto, galês Pasg, Pasen em holandês, indonésio Paskah, Páskar em islandês, Paskah em malaio, em norueguês påske, Paști em romeno, Pasaka em suaíle, påsk em sueco e Paskalya em turco.
Muito diferente do que os cristãos pensam sobre o significado de passagem como a passagem do povo hebreu pelo Mar Vermelho, mas seu real significado é a passagem do Anjo da Morte pelo Egito.
Primeiras comemorações

As primeiras comemorações da páscoa ou Pessach ocorreram há 3.500 anos, que é a data da passagem do anjo da morte pelo Egito, para executar as dez pragas enviadas por YHWH (de acordo com vários especialistas e até mesmo na Bíblia, esse era o nome de Deus que foi enviado a Moisés).
Tradições pagãs
As tradições pagãs da páscoa foram incorporadas a páscoa cristã, mesmo que muita gente não saiba. Por exemplo: no início, a tradição que nós temos de dar ovos de páscoa as pessoas surgiu de um costume pagão de dar ovos cozidos com runas escritas nele. Era uma tradição que simbolizava a fertilidade, que relaciona-se com o Nissan, que é o período das primeiras cevadas maduras em Israel. Hoje, os ovos cozidos com runas desenhadas foram trocados pelos ovos de chocolate.  
O coelhinho da páscoa também é uma distorção moderna do que era antigamente. No início, o animal símbolo do páscoa era a Lebre, mais precisamente, a Lebre de Eostre. A lebre era o animal de Gefjun, uma deusa nórdica. As sacerdotisas da deusa acreditavam ver o futuro nas entranhas de uam lebre sacrificada, e tal costume deu origem a rima Lebre de Eostre, o que suas entranhas trazem de sorte para mim?, que foi distorcida e hoje faz-se alusão ao coelhinho , no dizer ''Coelhinho da páscoa o que trazes pra mim?'' 

Essa foi uma breve pesquisa sobre o significado morfológico e histórico da páscoa. Como percebeu-se, na modernidade, há uma grande distorção da verdade, que inclusive é contada na Bíblia. Nos nossos tempos, a páscoa é  vista mais como um período comercial do que como um período de lembrar a libertação de um povo e o castigo dado por Deus. É nesse sentido que vemos que hoje, na sociedade em geral, nem mais os costumes, que tiveram uma enorme influência na vida das pessoas hoje está perdendo força. Era onde eu queria chegar: a páscoa, ao invés de se traduzir em um sentimento de respeito e bem querer pelo próximo torna-se mais uma prática egoísta e exclusivamente consumista. 

Em uma pesquisa realizada, contatou-se que há hoje no Brasil cerca de 1,8 milhões de pessoas morando nas ruas, que vão desde crianças até idosos. Que páscoa essas pessoas terão? Há ainda que se falar nesse capitalismo feroz que não deixa que milhares de famílias tenham uma festa decente? Não tão somente uma festa, mas uma vida digna também.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

A influência da mídia nos dias atuais

Tanto fiel é sua mídia quanto fiel é o seu povo! As emissoras de TV, rádio e principalmente a internet, principal meio de comunicação utilizado por nossa geração influencia mais do que imaginamos. Textos com manipulação, com sentido controverso ou ''puxando sardinha'' para X ou Y são frequentes. Diante disso temos que estar bem atentos ao que lemos, ouvimos e vemos na internet: podemos criar dogmas fictícios, errôneos por influência da mídia. Hoje em dia, na era da informação rápida, conexão super-rápidas somos bombardeados por informações de todos os lados. Estamos no período da humanidade que mais se produz informação: nos jornais, revistas, tv's, blog, etc. São diversos os meios que a evolução nos proporcionou, e temos que aproveitá-las por demais, pois nunca foi tão fácil saber das notícias, da história, de vários assuntos de nosso interesse. Nos mais variados sites da internet, temos conteúdos voltados à educação, saúde, lazer: nunca foi tão fácil aprender e ens…

Resenha do livro 1808, de Laurentino Gomes

1808, de Laurentino Gomes
Título : 1808
Autor : Laurentino Gomes
Ano: 2008
Onde Comprar: AmericanasSubmarinoLivraria Cultura Saraiva Este é o primeiro livro do autor paranaense Laurentino Gomes. O autor, que não é um historiador de formação, mostra seu talento na narrativa do seu livro-reportagem com observações bastante cabíveis sobre D. João VI e das peculiaridades da corte que veio fugida para o Brasil.
D. João
O livro tem como seu principal personagem D. João VI, príncipe regente que viria a ser rei de Portugal com a morte de sua mãe, D. Maria I. Laurentino descreve o rei como sendo um sujeito tomado pelo medo de tomar decisões, deixando-as sempre para a última hora. Sempre que podia adiava decisões importantes, adiava, e quando as tomava, tinha sempre por trás a palavra de seus conselheiros, em especial D. Rodrigo de Sousa Coutinho ou o Conde de Linhares.
Fugidos
 A vinda da família real ao Brasil não aconteceu dos mais belos modos e nem por vontade deles. Àquele tempo, Napoleão Bonaparte…

Resenha do livro As religiões que o mundo esqueceu

Uma obra que merece ser lida por todos para que possamos compreender o que somos hoje, mesmo que professemos religiões diversas. O livro é uma base para a compreensão histórica e social das transformações, agregações, mortes e agregações que todas as religiões que existiram e que ainda existem sofreram.
O livro é organizado por Pedro Paulo Funari, pesquisar brasileiro dedicado principalmente a arqueologia. O livro é composto por textos do próprio Paulo Funari, Alexandre Navarro, Ana Donnard, Betty Mindlin, Flávia Galli Tatsch, Johnni Langer, Júlio Cesar Magalhães, Júlio Gralha, Leandro Karnal, Luiz Alexandre Rossi, Paulo Nogueira, Renata Senna Garraffoni e Sérgio Alberto Feldman, todos autores com enorme conhecimento em diversas áreas históricas.
Como o próprio título sugere, o livro trata das religiões antigas que o mundo esqueceu, morreram, não existem mais. O livro divide-se em capítulos dedicados a cada religião, como a dos egípcios, gregos, celtas, vikings, coptas, albigenses, c…