Pular para o conteúdo principal

O dia da consciência

Hoje é o dia da consciência negra, mas mais do que isso, é o dia de refletirmos nossas ideias de como tratamos nossos semelhantes. Este dia reflete tamanho o preconceito de todos os seres humanos uns para com os outros. Basta lembrar, aqui mesmo no Brasil, o tempo da escravidão e das vindas de escravos da África. Esse dia é para, além de refletir, mudarmos nossos atos ou o das outras pessoas.
Hoje, há mais preconceito de negros para negros do que com negros para com os brancos. É muito triste, mas é uma realidade. Basta ir no supermercado, na rua, que não é difícil achar cenas de preconceito, seja racial ou diversos. E não só raciais, mas também regionais, etc. Parece que o negro quando tem preconceito contra sua própria cor de pele tenta se excluir dese paradigma de que por ele ser negro, ele sofrerá preconceito. Ter preconceito com outro negro torna-se no psicológico uma forma de exclusão da raça.
O Brasil, com suas dimensões continentais tem também vários tipos de preconceito, como o preconceito contra os Nordestinos. O que revela ainda uma face dura da realidade: no plano ideológico, a mídia em geral divulga que o preconceito, principalmente o racial, é pouco. Não deixa de ser uma verdade, mas ainda está presente na maioria da sociedade. É uma mancha que não larga, está impregnada no profundo, no seio social. Também não há como negar, pois, desde a nossa colonização, a sociedade é instigada a dividir as pessoas por cor da pele. Lembre-se do tempo colonial brasileiro.
Mas o que fazer para que a sociedade deixe de ser tão preconceituosa? Somente quando nós todos mudarmos nossos hábitos. Deixarmos de ver as pessoas também pelo aspecto financeiro, pelo aspecto estético e vermos o interior das pessoas, suas qualidade, sua humanidade, sua solidariedade, enfim. Enquanto foram pregados valores contrários a esses na sociedade, será muito difícil mudar esse hábito.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

A influência da mídia nos dias atuais

Tanto fiel é sua mídia quanto fiel é o seu povo! As emissoras de TV, rádio e principalmente a internet, principal meio de comunicação utilizado por nossa geração influencia mais do que imaginamos. Textos com manipulação, com sentido controverso ou ''puxando sardinha'' para X ou Y são frequentes. Diante disso temos que estar bem atentos ao que lemos, ouvimos e vemos na internet: podemos criar dogmas fictícios, errôneos por influência da mídia. Hoje em dia, na era da informação rápida, conexão super-rápidas somos bombardeados por informações de todos os lados. Estamos no período da humanidade que mais se produz informação: nos jornais, revistas, tv's, blog, etc. São diversos os meios que a evolução nos proporcionou, e temos que aproveitá-las por demais, pois nunca foi tão fácil saber das notícias, da história, de vários assuntos de nosso interesse. Nos mais variados sites da internet, temos conteúdos voltados à educação, saúde, lazer: nunca foi tão fácil aprender e ens…

Resenha do livro 1808, de Laurentino Gomes

1808, de Laurentino Gomes
Título : 1808
Autor : Laurentino Gomes
Ano: 2008
Onde Comprar: AmericanasSubmarinoLivraria Cultura Saraiva Este é o primeiro livro do autor paranaense Laurentino Gomes. O autor, que não é um historiador de formação, mostra seu talento na narrativa do seu livro-reportagem com observações bastante cabíveis sobre D. João VI e das peculiaridades da corte que veio fugida para o Brasil.
D. João
O livro tem como seu principal personagem D. João VI, príncipe regente que viria a ser rei de Portugal com a morte de sua mãe, D. Maria I. Laurentino descreve o rei como sendo um sujeito tomado pelo medo de tomar decisões, deixando-as sempre para a última hora. Sempre que podia adiava decisões importantes, adiava, e quando as tomava, tinha sempre por trás a palavra de seus conselheiros, em especial D. Rodrigo de Sousa Coutinho ou o Conde de Linhares.
Fugidos
 A vinda da família real ao Brasil não aconteceu dos mais belos modos e nem por vontade deles. Àquele tempo, Napoleão Bonaparte…

Resenha do livro As religiões que o mundo esqueceu

Uma obra que merece ser lida por todos para que possamos compreender o que somos hoje, mesmo que professemos religiões diversas. O livro é uma base para a compreensão histórica e social das transformações, agregações, mortes e agregações que todas as religiões que existiram e que ainda existem sofreram.
O livro é organizado por Pedro Paulo Funari, pesquisar brasileiro dedicado principalmente a arqueologia. O livro é composto por textos do próprio Paulo Funari, Alexandre Navarro, Ana Donnard, Betty Mindlin, Flávia Galli Tatsch, Johnni Langer, Júlio Cesar Magalhães, Júlio Gralha, Leandro Karnal, Luiz Alexandre Rossi, Paulo Nogueira, Renata Senna Garraffoni e Sérgio Alberto Feldman, todos autores com enorme conhecimento em diversas áreas históricas.
Como o próprio título sugere, o livro trata das religiões antigas que o mundo esqueceu, morreram, não existem mais. O livro divide-se em capítulos dedicados a cada religião, como a dos egípcios, gregos, celtas, vikings, coptas, albigenses, c…