Pular para o conteúdo principal

Territorialidade

A população em geral sabe pouco no que diz respeito aos direitos fundamentais. Infelizmente, a grande maioria da população brasileira desconhece grande parte das leis vigentes em nosso país e acaba caindo em muitas situações constrangedoras.
Uma parte muito legal do estudo do direito é sobre territorialidade. Imagine você saber que ''partes'' do Brasil navegam mar à fora e as diversas aplicações de leis no que toca ao território em que se encontra.
Umas das primeiras lições sobre o assunto é sobre o que se determina o território nacional. Segundo o site  do IFG  Juridicamente, território nacional é a área que compreende todo o espaço, terrestre, fluvial, marítimo (12 milhas) e aéreo (coluna atmosférica), onde o Estado brasileiro é soberano. Mas, esse território poderá ser estendido quando se tratar de embarcações ou aeronaves públicas ou a serviço do governo brasileiro onde quer que se encontre e as embarcações ou aeronaves estrangeiras privadas quando em território nacional (art.,  e , CP).
Art. 5º, CP
(...)
1º - Para os efeitos penais, consideram-se como extensão do território nacional as embarcações e aeronaves brasileiras, de natureza pública ou a serviço do governo brasileiro onde quer que se encontrem, bem como as aeronaves e as embarcações brasileiras, mercantes ou de propriedade privada, que se achem, respectivamente, no espaço aéreo correspondente ou em alto-mar. (Redação dada pela Lei nº 7.209, de 1984)
2º - É também aplicável a lei brasileira aos crimes praticados a bordo de aeronaves ou embarcações estrangeiras de propriedade privada, achando-se aquelas em pouso no território nacional ou em vôo no espaço aéreo correspondente, e estas em porto ou mar territorial do Brasil. (Redação dada pela Lei nº 7.209, de 1984).
Não é a toa que cruzeiros marítimos que possuem cassinos somente podem abri-los após 12 milhas, quando já estão fora do Brasil. Mas e quando saem do Brasil e entram em alto-mar e não se deparam com fronteiras de outros países, como se aplica a lei nessa terra? É uma boa dúvida, afinal, quem é dono desses mares? A resposta é nimguém. Literalmente, essas terras são de nimguém, por tanto, não há lei que defina condutas nessas áreas marítimas? Talvez seja uma boa dúvida pois, qual lei se aplica à um lugar que não há lei? E a máxima jurídica de que não há crime anterior que a lei não defina? É nessa parte, que de início queria entrar. No Brasil, toda embarcação ou aeronave à serviço do governo que estejam em território estrangeiro são válidas como território nacional. Caso ocorra alguma  conduta criminosa no barco, a lei aplicada será a brasileira. Outra que a justiça, no representativo policial, não poderá adentrar no estrangeiro (barco ou avião) sem permissão do país. Lembrando que essa lei do CP, que institui a territorialidade, também regular os casos no que diz ao respeito de aviões e embarcações privadas, que, mesmo esteja em território estrangeiro não são parte do território brasileiro, salvo se o mesmo estiver à serviço do governo.
Dando exemplos, no primeiro, de que os meios públicos ciados, como o avião ou embarcação que esteja à serviço do governo: imagine que em um barco, que está com destino aos E.U.A. A embarcação é brasileira, locada por uma empresa privada e, por força do acaso, um homem desgovernado psicologicamente mata uma pessoa, sendo que o crime foi cometido quando o barco estava em território americano. Nesses caso, qual lei deve ser aplicada? A resposta é que, embora a embarcação for brasileira esteja nos E.U.A , a lei a ser aplicada é a de origem do país em que ocorreu o fato. O mesmo valeria para a lei brasileira.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

A influência da mídia nos dias atuais

Tanto fiel é sua mídia quanto fiel é o seu povo! As emissoras de TV, rádio e principalmente a internet, principal meio de comunicação utilizado por nossa geração influencia mais do que imaginamos. Textos com manipulação, com sentido controverso ou ''puxando sardinha'' para X ou Y são frequentes. Diante disso temos que estar bem atentos ao que lemos, ouvimos e vemos na internet: podemos criar dogmas fictícios, errôneos por influência da mídia. Hoje em dia, na era da informação rápida, conexão super-rápidas somos bombardeados por informações de todos os lados. Estamos no período da humanidade que mais se produz informação: nos jornais, revistas, tv's, blog, etc. São diversos os meios que a evolução nos proporcionou, e temos que aproveitá-las por demais, pois nunca foi tão fácil saber das notícias, da história, de vários assuntos de nosso interesse. Nos mais variados sites da internet, temos conteúdos voltados à educação, saúde, lazer: nunca foi tão fácil aprender e ens…

Resenha do livro 1808, de Laurentino Gomes

1808, de Laurentino Gomes
Título : 1808
Autor : Laurentino Gomes
Ano: 2008
Onde Comprar: AmericanasSubmarinoLivraria Cultura Saraiva Este é o primeiro livro do autor paranaense Laurentino Gomes. O autor, que não é um historiador de formação, mostra seu talento na narrativa do seu livro-reportagem com observações bastante cabíveis sobre D. João VI e das peculiaridades da corte que veio fugida para o Brasil.
D. João
O livro tem como seu principal personagem D. João VI, príncipe regente que viria a ser rei de Portugal com a morte de sua mãe, D. Maria I. Laurentino descreve o rei como sendo um sujeito tomado pelo medo de tomar decisões, deixando-as sempre para a última hora. Sempre que podia adiava decisões importantes, adiava, e quando as tomava, tinha sempre por trás a palavra de seus conselheiros, em especial D. Rodrigo de Sousa Coutinho ou o Conde de Linhares.
Fugidos
 A vinda da família real ao Brasil não aconteceu dos mais belos modos e nem por vontade deles. Àquele tempo, Napoleão Bonaparte…

Resenha do livro As religiões que o mundo esqueceu

Uma obra que merece ser lida por todos para que possamos compreender o que somos hoje, mesmo que professemos religiões diversas. O livro é uma base para a compreensão histórica e social das transformações, agregações, mortes e agregações que todas as religiões que existiram e que ainda existem sofreram.
O livro é organizado por Pedro Paulo Funari, pesquisar brasileiro dedicado principalmente a arqueologia. O livro é composto por textos do próprio Paulo Funari, Alexandre Navarro, Ana Donnard, Betty Mindlin, Flávia Galli Tatsch, Johnni Langer, Júlio Cesar Magalhães, Júlio Gralha, Leandro Karnal, Luiz Alexandre Rossi, Paulo Nogueira, Renata Senna Garraffoni e Sérgio Alberto Feldman, todos autores com enorme conhecimento em diversas áreas históricas.
Como o próprio título sugere, o livro trata das religiões antigas que o mundo esqueceu, morreram, não existem mais. O livro divide-se em capítulos dedicados a cada religião, como a dos egípcios, gregos, celtas, vikings, coptas, albigenses, c…