Pular para o conteúdo principal

Aos 12 anos...

O caso, mesmo depois de muito comentado pela mídia ainda me impressiona. Sinceramente, ainda não sei o que aconteceu, aliás, muitos ainda querem realmente sabe o que aconteceu. A polícia e o senso comum da população já afirmam que o menino matou os pais e 2 familiares. As provas já estão sendo apuradas. O caso lançou muitas dúvidas na população.
O caso tomou conta de todas as páginas de jornais, televisão, rádio, no papo do boteco, etc. Também não era para menos: supostamente um menino assassinar toda sua família e praticar suicídio posteriormente. É um caso que choca  a sociedade. O menino, que segundo familiares era uma pessoa alegre, divertida, não aparentava nenhum comportamento agressivo para ninguém. Em depoimento, professores e amigos relatavam somente algumas histórias que o mesmo contava, de ser matador profissional, o que não era levado a sério vindo daquele menino, que era muito querido. Marcelo ainda colecionava muitas armas de brinquedo, que segundo alguns especialistas, é normal, já que o contato com armas e pelo fato de ser filho de um policial influenciam. A família cita que Marcelo via o pai como um herói, um símbolo.
Não se sabe mesmo, com toda certeza, o que aconteceu. Segundo a polícia, após matar o pai, a mãe, e avó e a tia, (não respectivamente) Marcelo ainda foi à escola, pegando carona com um amigo para voltar para casa, onde se suicidou.
Realmente, esse foi um caso que chocou o todo social. Diante de um crime bárbaro, a própria sociedade faz perguntas: o que nossos filhos serão? Claro que não de forma generalizada, mas põe em discussão a função das tecnologias na difusão da informação, o que particularmente, não tem muita ligação com o fato ocorrido. Esse foi um caso isolado, mas a mídia lança de tal forma que influencia muitas cabeças a repensar o papel, por exemplo, do vídeo game, dos jogos violentos, da difusão da violência virtual. O que também não deixa de ser um fato a deixar de se comentar: até que limite podemos deixar as crianças fazendo uso de jogos violentos? Influencia nas ações diárias, deixa mais violento? Segundo alguns especialistas, os jogos não influenciam muito na índole infantil.
O caso teve repercussão internacional, sendo capa até de vários jornais. Os jornais, dentro de uma perspectiva diferente, relatam o fato como tragédia, sobre o pensamento adolescente, etc.
A discussão sobre o fato é em vista da dúvida, se realmente  o garoto matou os pais e alguns parentes. Muitas hipóteses foram levantas, e são questionadas, como o crime ter sido praticado por membros do PCC ou por criminosos, mas parece mesmo que a polícia e o tal do senso comum tem mesmo o filho do casal como o culpado, pois há muitas provas: como as câmeras de segurança do prédio, que mostram o garoto saindo com o carro da mãe, chegando em casa, e até vizinhos escutaram tiros, que supostamente foram disparados contra o casa.
O vídeo abaixo mostra o momento em que o garoto entra no prédio:



A chacina familiar ocorrida põe em xeque a nossa juventude?
Comente o que você acha do caso. Será que nossos adolescentes estão sendo mais violentos por influência dos jogos e da internet?

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

A influência da mídia nos dias atuais

Tanto fiel é sua mídia quanto fiel é o seu povo! As emissoras de TV, rádio e principalmente a internet, principal meio de comunicação utilizado por nossa geração influencia mais do que imaginamos. Textos com manipulação, com sentido controverso ou ''puxando sardinha'' para X ou Y são frequentes. Diante disso temos que estar bem atentos ao que lemos, ouvimos e vemos na internet: podemos criar dogmas fictícios, errôneos por influência da mídia. Hoje em dia, na era da informação rápida, conexão super-rápidas somos bombardeados por informações de todos os lados. Estamos no período da humanidade que mais se produz informação: nos jornais, revistas, tv's, blog, etc. São diversos os meios que a evolução nos proporcionou, e temos que aproveitá-las por demais, pois nunca foi tão fácil saber das notícias, da história, de vários assuntos de nosso interesse. Nos mais variados sites da internet, temos conteúdos voltados à educação, saúde, lazer: nunca foi tão fácil aprender e ens…

Resenha do livro 1808, de Laurentino Gomes

1808, de Laurentino Gomes
Título : 1808
Autor : Laurentino Gomes
Ano: 2008
Onde Comprar: AmericanasSubmarinoLivraria Cultura Saraiva Este é o primeiro livro do autor paranaense Laurentino Gomes. O autor, que não é um historiador de formação, mostra seu talento na narrativa do seu livro-reportagem com observações bastante cabíveis sobre D. João VI e das peculiaridades da corte que veio fugida para o Brasil.
D. João
O livro tem como seu principal personagem D. João VI, príncipe regente que viria a ser rei de Portugal com a morte de sua mãe, D. Maria I. Laurentino descreve o rei como sendo um sujeito tomado pelo medo de tomar decisões, deixando-as sempre para a última hora. Sempre que podia adiava decisões importantes, adiava, e quando as tomava, tinha sempre por trás a palavra de seus conselheiros, em especial D. Rodrigo de Sousa Coutinho ou o Conde de Linhares.
Fugidos
 A vinda da família real ao Brasil não aconteceu dos mais belos modos e nem por vontade deles. Àquele tempo, Napoleão Bonaparte…

Resenha do livro As religiões que o mundo esqueceu

Uma obra que merece ser lida por todos para que possamos compreender o que somos hoje, mesmo que professemos religiões diversas. O livro é uma base para a compreensão histórica e social das transformações, agregações, mortes e agregações que todas as religiões que existiram e que ainda existem sofreram.
O livro é organizado por Pedro Paulo Funari, pesquisar brasileiro dedicado principalmente a arqueologia. O livro é composto por textos do próprio Paulo Funari, Alexandre Navarro, Ana Donnard, Betty Mindlin, Flávia Galli Tatsch, Johnni Langer, Júlio Cesar Magalhães, Júlio Gralha, Leandro Karnal, Luiz Alexandre Rossi, Paulo Nogueira, Renata Senna Garraffoni e Sérgio Alberto Feldman, todos autores com enorme conhecimento em diversas áreas históricas.
Como o próprio título sugere, o livro trata das religiões antigas que o mundo esqueceu, morreram, não existem mais. O livro divide-se em capítulos dedicados a cada religião, como a dos egípcios, gregos, celtas, vikings, coptas, albigenses, c…