Pular para o conteúdo principal

Quais os rumos do Brasil?

foto oficial
http://www2.planalto.gov.br/presidenta/foto-oficial
Desde o mês passado o Brasil de certa forma mudou. Mas ainda não completamente. Ainda restam muitas coisas por fazer frente aos problemas e também às possíveis soluções, que são no mínimo discutíveis, tendo em vista quem irá discutir e aprova-las.
Eram milhões nas ruas. Desde crianças até idosos em prol de um ideal coletivo, que levou todo o Brasil às ruas. Isso já foi muito comentado, em todos os jornais. Mas lembrando que essa manifestações  Continuar Lendo
tinham um propósito, que, acho eu, não acabou junto com a copa das confederações. O ideal de ver este país melhor. No calor do evento de nível mundial ocorrendo no país, a intenção de chamar a atenção dos olhos do mundo para os problemas que aqui ainda ocorrem foi feita. Sendo de cunho apartidarista, a manifestação geral levou o povo, e não os partidos para protestar, principalmente os partidos adversários do governo. E tudo isso uma hora ou outra tinha que acabar. No dia da final entre BrasilxEspanha houve a última exibição das manifestações em nível mundial. E ficou o recado para a presidenta, que fez pronunciamento em rede nacional de rádio e televisão para anunciar as medidas reivindicadas pelo povo. Fez promessas para cumprir. Pois bem, passaram-se algumas semanas e o povo ainda na rua, como as tentativas de paralisações nacionais ocorridas nos dias 1° e 11° de julho.
Sobre o que o congresso fez com os projetos enviados pela presidente Dilma, como a destinação de 100% dos royalties do petróleo para a educação e saúde, que sofreu mudanças na tramitação. Houve a redução da porcentagem destinada aos serviços públicos, que não seguiram a risca a pretensão da presidente, ou, penso, que seria mais uma jogada da própria presidente para tentar acalmar os ânimos do povo, com projetos quase que inviáveis, tendo em vista nossa classe política. Talvez Dilma já soubesse que o congresso não iria aprovar em totalidade o projeto, mas mesmo assim o anunciou.

Não se sabe o que a presidente Dilma quis fazer, mas tem uma pedra no sapato com o congresso. Ainda é difícil prever se esses projetos surtiram algum efeito. Esperamos que surjam, a médio prazo.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

A influência da mídia nos dias atuais

Tanto fiel é sua mídia quanto fiel é o seu povo! As emissoras de TV, rádio e principalmente a internet, principal meio de comunicação utilizado por nossa geração influencia mais do que imaginamos. Textos com manipulação, com sentido controverso ou ''puxando sardinha'' para X ou Y são frequentes. Diante disso temos que estar bem atentos ao que lemos, ouvimos e vemos na internet: podemos criar dogmas fictícios, errôneos por influência da mídia. Hoje em dia, na era da informação rápida, conexão super-rápidas somos bombardeados por informações de todos os lados. Estamos no período da humanidade que mais se produz informação: nos jornais, revistas, tv's, blog, etc. São diversos os meios que a evolução nos proporcionou, e temos que aproveitá-las por demais, pois nunca foi tão fácil saber das notícias, da história, de vários assuntos de nosso interesse. Nos mais variados sites da internet, temos conteúdos voltados à educação, saúde, lazer: nunca foi tão fácil aprender e ens…

Resenha do livro 1808, de Laurentino Gomes

1808, de Laurentino Gomes
Título : 1808
Autor : Laurentino Gomes
Ano: 2008
Onde Comprar: AmericanasSubmarinoLivraria Cultura Saraiva Este é o primeiro livro do autor paranaense Laurentino Gomes. O autor, que não é um historiador de formação, mostra seu talento na narrativa do seu livro-reportagem com observações bastante cabíveis sobre D. João VI e das peculiaridades da corte que veio fugida para o Brasil.
D. João
O livro tem como seu principal personagem D. João VI, príncipe regente que viria a ser rei de Portugal com a morte de sua mãe, D. Maria I. Laurentino descreve o rei como sendo um sujeito tomado pelo medo de tomar decisões, deixando-as sempre para a última hora. Sempre que podia adiava decisões importantes, adiava, e quando as tomava, tinha sempre por trás a palavra de seus conselheiros, em especial D. Rodrigo de Sousa Coutinho ou o Conde de Linhares.
Fugidos
 A vinda da família real ao Brasil não aconteceu dos mais belos modos e nem por vontade deles. Àquele tempo, Napoleão Bonaparte…

Resenha do livro As religiões que o mundo esqueceu

Uma obra que merece ser lida por todos para que possamos compreender o que somos hoje, mesmo que professemos religiões diversas. O livro é uma base para a compreensão histórica e social das transformações, agregações, mortes e agregações que todas as religiões que existiram e que ainda existem sofreram.
O livro é organizado por Pedro Paulo Funari, pesquisar brasileiro dedicado principalmente a arqueologia. O livro é composto por textos do próprio Paulo Funari, Alexandre Navarro, Ana Donnard, Betty Mindlin, Flávia Galli Tatsch, Johnni Langer, Júlio Cesar Magalhães, Júlio Gralha, Leandro Karnal, Luiz Alexandre Rossi, Paulo Nogueira, Renata Senna Garraffoni e Sérgio Alberto Feldman, todos autores com enorme conhecimento em diversas áreas históricas.
Como o próprio título sugere, o livro trata das religiões antigas que o mundo esqueceu, morreram, não existem mais. O livro divide-se em capítulos dedicados a cada religião, como a dos egípcios, gregos, celtas, vikings, coptas, albigenses, c…