Pular para o conteúdo principal

Brasil, o país dos esquecidos


O que já acontece há semanas no Brasil  é reflexo da má organização política federal, estadual e municipal. Está em todo o Brasil!
No Rio de Janeiro, uma quantidade considerável de pessoas acampa em frente a casa do atual governador Sérgio Cabral na tentativa de sensibilizar o governador da situação que o Estado se encontra e que pode piorar no decorrer dos meses.
Passado todo o calor de momento do final do mês de junho, estamos agora vivendo o momento em que pode se apresentar os possíveis resultados dos protestos, o que já foi prometido pela presidente Dilma, como a destinação dos royaltes do petróleo à educação e saúde. Como disse, poderão ser, pois na semana passada, os relatores do projeto que preveêm a destinação de 100% dos recursos do pré-sal para o povo estão tentando baixar a taxa de destinação. Uma vergonha! Não precisa ser um entendido na área política para, ao menos perceber que os políticos já não estão nem aí para o povo. Passado os milhões nas ruas, que botou medo nos políticos, fez baixar tarifas, fez inclusive a presidente se pronunciar, parece que os políticos estão querendo uma nova onda de manifestações. Infelizmente nossos políticos... não tem como descrever a falta de vergonha desses senhores.
''O poder emana do povo'' diz a constituição brasileira de 1988, uma das melhores e mais cidadãs do mundo. Se fôssemos seguir as regras constitucionais, seríamos um dos melhores países para viver. Os nossos impostos são um dos mais altos do mundo, e o que nós temos de volta? Quase nada. Saúde: uma das piores do mundo. Educação: deplorável. Somos ao menos o país do futebol (devemos nos orgulhar disso?). Temos os mais belos estádios do mundo, mais modernos, todos padrão FIFA. Ora, mas do que adianta.Nossos filhos não estudarão no estádio, não irão à um estádio quando estiverem doentes. Receber um evento do porte da copa do mundo é bom, mas é mais coerente investir em saúde e educação do que mostrar uma face do Brasil moderno, coisa de primeiro mundo, que não existe! enquanto dezenas de milhões de brasileiros sofrem para tentar ganhar o pão de cada dia. Exemplo disso são os guerreiros professores da UERJ, que há 11 anos não tem aumento. 

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

A influência da mídia nos dias atuais

Tanto fiel é sua mídia quanto fiel é o seu povo! As emissoras de TV, rádio e principalmente a internet, principal meio de comunicação utilizado por nossa geração influencia mais do que imaginamos. Textos com manipulação, com sentido controverso ou ''puxando sardinha'' para X ou Y são frequentes. Diante disso temos que estar bem atentos ao que lemos, ouvimos e vemos na internet: podemos criar dogmas fictícios, errôneos por influência da mídia. Hoje em dia, na era da informação rápida, conexão super-rápidas somos bombardeados por informações de todos os lados. Estamos no período da humanidade que mais se produz informação: nos jornais, revistas, tv's, blog, etc. São diversos os meios que a evolução nos proporcionou, e temos que aproveitá-las por demais, pois nunca foi tão fácil saber das notícias, da história, de vários assuntos de nosso interesse. Nos mais variados sites da internet, temos conteúdos voltados à educação, saúde, lazer: nunca foi tão fácil aprender e ens…

Resenha do livro 1808, de Laurentino Gomes

1808, de Laurentino Gomes
Título : 1808
Autor : Laurentino Gomes
Ano: 2008
Onde Comprar: AmericanasSubmarinoLivraria Cultura Saraiva Este é o primeiro livro do autor paranaense Laurentino Gomes. O autor, que não é um historiador de formação, mostra seu talento na narrativa do seu livro-reportagem com observações bastante cabíveis sobre D. João VI e das peculiaridades da corte que veio fugida para o Brasil.
D. João
O livro tem como seu principal personagem D. João VI, príncipe regente que viria a ser rei de Portugal com a morte de sua mãe, D. Maria I. Laurentino descreve o rei como sendo um sujeito tomado pelo medo de tomar decisões, deixando-as sempre para a última hora. Sempre que podia adiava decisões importantes, adiava, e quando as tomava, tinha sempre por trás a palavra de seus conselheiros, em especial D. Rodrigo de Sousa Coutinho ou o Conde de Linhares.
Fugidos
 A vinda da família real ao Brasil não aconteceu dos mais belos modos e nem por vontade deles. Àquele tempo, Napoleão Bonaparte…

Resenha do livro As religiões que o mundo esqueceu

Uma obra que merece ser lida por todos para que possamos compreender o que somos hoje, mesmo que professemos religiões diversas. O livro é uma base para a compreensão histórica e social das transformações, agregações, mortes e agregações que todas as religiões que existiram e que ainda existem sofreram.
O livro é organizado por Pedro Paulo Funari, pesquisar brasileiro dedicado principalmente a arqueologia. O livro é composto por textos do próprio Paulo Funari, Alexandre Navarro, Ana Donnard, Betty Mindlin, Flávia Galli Tatsch, Johnni Langer, Júlio Cesar Magalhães, Júlio Gralha, Leandro Karnal, Luiz Alexandre Rossi, Paulo Nogueira, Renata Senna Garraffoni e Sérgio Alberto Feldman, todos autores com enorme conhecimento em diversas áreas históricas.
Como o próprio título sugere, o livro trata das religiões antigas que o mundo esqueceu, morreram, não existem mais. O livro divide-se em capítulos dedicados a cada religião, como a dos egípcios, gregos, celtas, vikings, coptas, albigenses, c…