Pular para o conteúdo principal

Egito, deposição e mudanças


Hoje o povo do Egito escreveu mais um capítulo da famosa primavera árabe, que tanto inspirou os brasileiros nos movimentos em todo o Brasil. O novo capítulo, ou ponto final, foi ou será a deposição do então presidente do país, Mohamed Morse.  Eleito após a decisão de Hosni Mubarak, em 2011. Naquele ano milhões de egípcios saíram às ruas para demonstrar sua insatisfação com o a ditadura que havia no país, hoje, o povo também estava nas ruas, e pelo mesmo motivo: queriam a saída do presidente. Que segundo o povo, o mesmo não conseguiu atender os anseios do povo em seu mandato, que chegou ao fim a`s 19h (14h Brasília), quando acabou o prazo dado pelo exército para que o presidente saísse por vontade própria. O chefe da corte Adli Mansour assume como presidente interino. Alguns jornais e redes de televisão vêem o movimento do exército como um golpe militar.
O chefe do exército do Egito, general Abdel Fatah al-Sisi anunciou em cadeia nacional de TV a deposição do presidente e outras medidas: a revisão da constituição pro um painel, visando novas eleições parlamentares e presidenciais.
O que ocorre no Egito poderia ocorrer no Brasil? Com o mesmo clima de insatisfação com o governo, e medidas tomadas, que quase não funcionam, poderiam acarretar um movimento com grandes proporções em prol da saída de presidente Dilma do poder?  Talvez sim, talvez não. O que muda do Egito para o Brasil é o motivo da manifestação: no Egito, a incapacidade do presidente de atender os desejos populares. No Brasil, os super gastos e a corrupção, falta de saúde... os motivos não são os mesmos, mas poderiam levar ao entendimento geral aqui no Brasil que o governo não é mais útil. 
Você concorda? Comente.

Comentários

  1. A deposição de um presidente eleito democraticamente só deve ocorrer caso este cometa um erro muito grave. Foi o ocorrido com o Collor em 92. o governo brasileiro está longe de ser satisfatório e apoio completamente as manifestações em prol dos direitos sociais, do fim da corrupção e da do fim da impunidade parlamentar. Seria justificável depor um ditador, um tirano, um regime militar, talvez. Mas o primeiro passo para a democracia, é arcar com as consequências do seu voto. Então, depor pela vontade de depor não é válido.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Há quatro anos atrás o impeachment da presidente Dilma era somente uma mera divagação de lunáticos. Vimos como isso acabou, infelizmente. Os ânimos no Egito se acalmaram, enquanto que aqui no Brasil a coisa só "esquentou". A nossa Constituição proíbe a deposição de um presidente por somente ter altos índices de reprovação, mas, como vimos com a Dilma, isso não foi muito bem usado. Sinceramente, passados esses anos, vejo que a coisa só piorou. Tomaram as ruas em 2013 mas não tomaram as urnas. Continuamos sendo governados pelos mesmos governantes que julgamos ser incompetentes durante as manifestações de 2013.

      Excluir
  2. Concordo. Na verdade o fato da deposição da atual presidenta é apenas uma especulação dos mais fanáticos. O povo vai ter que aguentar até a próxima eleição, e votar em candidatos mais compromissados com o nosso dinheiro e com nosso povo.

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

A influência da mídia nos dias atuais

Tanto fiel é sua mídia quanto fiel é o seu povo! As emissoras de TV, rádio e principalmente a internet, principal meio de comunicação utilizado por nossa geração influencia mais do que imaginamos. Textos com manipulação, com sentido controverso ou ''puxando sardinha'' para X ou Y são frequentes. Diante disso temos que estar bem atentos ao que lemos, ouvimos e vemos na internet: podemos criar dogmas fictícios, errôneos por influência da mídia. Hoje em dia, na era da informação rápida, conexão super-rápidas somos bombardeados por informações de todos os lados. Estamos no período da humanidade que mais se produz informação: nos jornais, revistas, tv's, blog, etc. São diversos os meios que a evolução nos proporcionou, e temos que aproveitá-las por demais, pois nunca foi tão fácil saber das notícias, da história, de vários assuntos de nosso interesse. Nos mais variados sites da internet, temos conteúdos voltados à educação, saúde, lazer: nunca foi tão fácil aprender e ens…

Resenha do livro 1808, de Laurentino Gomes

1808, de Laurentino Gomes
Título : 1808
Autor : Laurentino Gomes
Ano: 2008
Onde Comprar: AmericanasSubmarinoLivraria Cultura Saraiva Este é o primeiro livro do autor paranaense Laurentino Gomes. O autor, que não é um historiador de formação, mostra seu talento na narrativa do seu livro-reportagem com observações bastante cabíveis sobre D. João VI e das peculiaridades da corte que veio fugida para o Brasil.
D. João
O livro tem como seu principal personagem D. João VI, príncipe regente que viria a ser rei de Portugal com a morte de sua mãe, D. Maria I. Laurentino descreve o rei como sendo um sujeito tomado pelo medo de tomar decisões, deixando-as sempre para a última hora. Sempre que podia adiava decisões importantes, adiava, e quando as tomava, tinha sempre por trás a palavra de seus conselheiros, em especial D. Rodrigo de Sousa Coutinho ou o Conde de Linhares.
Fugidos
 A vinda da família real ao Brasil não aconteceu dos mais belos modos e nem por vontade deles. Àquele tempo, Napoleão Bonaparte…

Resenha do livro As religiões que o mundo esqueceu

Uma obra que merece ser lida por todos para que possamos compreender o que somos hoje, mesmo que professemos religiões diversas. O livro é uma base para a compreensão histórica e social das transformações, agregações, mortes e agregações que todas as religiões que existiram e que ainda existem sofreram.
O livro é organizado por Pedro Paulo Funari, pesquisar brasileiro dedicado principalmente a arqueologia. O livro é composto por textos do próprio Paulo Funari, Alexandre Navarro, Ana Donnard, Betty Mindlin, Flávia Galli Tatsch, Johnni Langer, Júlio Cesar Magalhães, Júlio Gralha, Leandro Karnal, Luiz Alexandre Rossi, Paulo Nogueira, Renata Senna Garraffoni e Sérgio Alberto Feldman, todos autores com enorme conhecimento em diversas áreas históricas.
Como o próprio título sugere, o livro trata das religiões antigas que o mundo esqueceu, morreram, não existem mais. O livro divide-se em capítulos dedicados a cada religião, como a dos egípcios, gregos, celtas, vikings, coptas, albigenses, c…