Pular para o conteúdo principal

Colônia: O Holocausto brasileiro

capa do livro Holocausto Brasileiro, de
Daniela Arbex

Há coisas que a gente talvez nunca saberá em nossa vidas. que são escondidas da pessoa a todo custo. Isso ocorreu com o caso de um manicômio, na cidade mineira de Barbacena. O fato foi contado no Holocausto Brasileiro, de Daniela Arbex (Editora Nova Geração).

Ninguém sabia.  Isso é muito estranho. Para a maioria da população era desconhecido que nessa cidade havia tal ato. Para quem não estava na cidade ou conhecia, era somente um manicômio, local onde iam pessoas doentes mentais que não podiam conviver em sociedade. Mas o que havia, na verdade, era um dos maiores genocídios já acontecidos no Brasil. De acordo com a autora do livro, desde 1903, data que o manicômio foi fundado até a década de 80 morreram 60 mil pessoas.
O que mais espanta no local é a forma como os internos eram tratados: alguns andavam nus, dormiam no chão, apenas com um forro de capim. Usavam roupas esfarrapadas, sujas e rasgadas. Tinham a cabeça raspada. Condição muito semelhante a dos campos de concentração nazistas durante a segunda guerra mundial. Diferentemente dos campos, onde os corpos dos presos eram mortos e, parte do corpo transformada em sabão, usava-se os cabelos para fazer travesseiros e similares, na colônia os corpos eram vendidos para universidade, aos preço de 50 cruzeiros. Foram vendidos no total 1853 corpos. O que hoje corresponde a R$600 mil reais. Todos os dias morriam cerca de 16 pessoas,de um total de 5.000. sendo que o manicômio tinha espaço apenas para 200. Depois de um tempo, o mercado que comprava os corpos parou de comprar. Com os corpos entulhados tamanha a quantidade de mortos diariamente, os funcionários usavam ácido para decompor os corpos, que depois tinham as ossadas vendidas.
O escândalo da colônia chegou aos ouvidos do presidente, na época, Jânio Quadros, quando em 1961 os repórteres José Franco e Luiz Alfredo denunciaram o caso na revista O Cruzeiro. Mesmo com a denúncia, nada foi feito. Somente em 1979, quando a reforma psiquiátrica em Minas Gerais ganhou força, que houveram algumas mudanças.
Hoje o manicômio funciona com 160 paciente e é mantido pela Fundação Hospitalar do Estado de Minas Gerais (FHEMIG). Ninguém foi punido.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

A influência da mídia nos dias atuais

Tanto fiel é sua mídia quanto fiel é o seu povo! As emissoras de TV, rádio e principalmente a internet, principal meio de comunicação utilizado por nossa geração influencia mais do que imaginamos. Textos com manipulação, com sentido controverso ou ''puxando sardinha'' para X ou Y são frequentes. Diante disso temos que estar bem atentos ao que lemos, ouvimos e vemos na internet: podemos criar dogmas fictícios, errôneos por influência da mídia. Hoje em dia, na era da informação rápida, conexão super-rápidas somos bombardeados por informações de todos os lados. Estamos no período da humanidade que mais se produz informação: nos jornais, revistas, tv's, blog, etc. São diversos os meios que a evolução nos proporcionou, e temos que aproveitá-las por demais, pois nunca foi tão fácil saber das notícias, da história, de vários assuntos de nosso interesse. Nos mais variados sites da internet, temos conteúdos voltados à educação, saúde, lazer: nunca foi tão fácil aprender e ens…

Resenha do livro 1808, de Laurentino Gomes

1808, de Laurentino Gomes
Título : 1808
Autor : Laurentino Gomes
Ano: 2008
Onde Comprar: AmericanasSubmarinoLivraria Cultura Saraiva Este é o primeiro livro do autor paranaense Laurentino Gomes. O autor, que não é um historiador de formação, mostra seu talento na narrativa do seu livro-reportagem com observações bastante cabíveis sobre D. João VI e das peculiaridades da corte que veio fugida para o Brasil.
D. João
O livro tem como seu principal personagem D. João VI, príncipe regente que viria a ser rei de Portugal com a morte de sua mãe, D. Maria I. Laurentino descreve o rei como sendo um sujeito tomado pelo medo de tomar decisões, deixando-as sempre para a última hora. Sempre que podia adiava decisões importantes, adiava, e quando as tomava, tinha sempre por trás a palavra de seus conselheiros, em especial D. Rodrigo de Sousa Coutinho ou o Conde de Linhares.
Fugidos
 A vinda da família real ao Brasil não aconteceu dos mais belos modos e nem por vontade deles. Àquele tempo, Napoleão Bonaparte…

Resenha do livro As religiões que o mundo esqueceu

Uma obra que merece ser lida por todos para que possamos compreender o que somos hoje, mesmo que professemos religiões diversas. O livro é uma base para a compreensão histórica e social das transformações, agregações, mortes e agregações que todas as religiões que existiram e que ainda existem sofreram.
O livro é organizado por Pedro Paulo Funari, pesquisar brasileiro dedicado principalmente a arqueologia. O livro é composto por textos do próprio Paulo Funari, Alexandre Navarro, Ana Donnard, Betty Mindlin, Flávia Galli Tatsch, Johnni Langer, Júlio Cesar Magalhães, Júlio Gralha, Leandro Karnal, Luiz Alexandre Rossi, Paulo Nogueira, Renata Senna Garraffoni e Sérgio Alberto Feldman, todos autores com enorme conhecimento em diversas áreas históricas.
Como o próprio título sugere, o livro trata das religiões antigas que o mundo esqueceu, morreram, não existem mais. O livro divide-se em capítulos dedicados a cada religião, como a dos egípcios, gregos, celtas, vikings, coptas, albigenses, c…