Pular para o conteúdo principal

Interação social

A sociabilidade humana é uma prova concreta que o homem existe para viver em sociedade.
O filho é a decorrência natural de uma união, que gera estabilidade do núcleo familiar. A partir desse pequeno grupo forma-se uma interação material e sentimental/afetiva que se propaga aos pequenos grupos, até chegar à constituição de um pequeno grupo social.
As formas de interação desse grupo são muito diversas, podendo ser de cooperação, competição e conflito.
Quando há uma cooperação os indivíduos agem sob a luz de um mesmo objetivo. Lutam, trabalham, pensam em um mesmo assunto visando uma melhor resultado.
Na competição, dois indivíduos partilham o desejo de exclusão da outra. É a grande característica da nossa sociedade atual, um tentando excluir o outro. Esta exclusão se dá em melhorias que fazem quem é melhor ter mais oportunidade ou vender melhor, se for o caso. Quem tem um produto melhor vende mais, excluindo o mercado da outra, ou seja, o consumidor que compraria o produto da empresa x compra da y, excluindo assim a x do mercado. Tem um aspecto indireto e positivo, pois melhora a qualidade de produtos e/ou serviços.
Há também a interação por conflito, que são divergências de interesse. Ela ocorre quando há um impasse que não logra-se uma solução por meio do diálogo. Tal conflito pode ser moral ou físico. É direto e positivo. O Direito só irá disciplinar estas práticas onde houver relação potencialmente conflituosa.
Dá a entende que a sociedade do século XXI difere-se muito do padrão de antes. A forma de interação mudou, aliás, tudo mudou.
Com o advento tecnológico os humanos produzem muito mais informação do que antes. Esta informação coloca a par qualquer cidadão dos fatos, fazendo do mesmo um ser social opinador. A relação entre cooperação, competição e conflito no mundo moderno é a massificação de opiniões. Por meio das redes sociais, todo internauta pode cooperar com uma causa social, competir com outro, e ter conflitos igualmente potenciais como na vida coletiva não virtual.
Como no caso as Primavera Árabe, onde pessoas que tinham um interesse de cooperação comum usaram redes sociais para gerar um conflito que culminou com a queda de um regime. A importância da cooperação social  está em seu poder ampliado quando há um interesse comum coletivo.
A competição engloba hoje principalmente os mercados consumidores e em seus interessados o desejo de oferecer um serviço ou produto, e também um poder (No caso das eleições, que são uma competição que visa a escolha do melhor indivíduo). É por meio da competição que indivíduos se sobressaem em relação à outros.
Resumindo, a interação social engloba as ações conjuntas de humanos dentro de uma sociedade.

Comentários

  1. Esta lei eh, como meu amigo Humberto ja disse, um desrespeito a vida. Ora, o seu filho nao teve culpa de ser gerado, entao, ja que ele foi gerado, que o tenha. A contraargumentacao eh a qualidade de vida q essa crianca vai ter. Mas ela tem direito a vida!!!

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

A influência da mídia nos dias atuais

Tanto fiel é sua mídia quanto fiel é o seu povo! As emissoras de TV, rádio e principalmente a internet, principal meio de comunicação utilizado por nossa geração influencia mais do que imaginamos. Textos com manipulação, com sentido controverso ou ''puxando sardinha'' para X ou Y são frequentes. Diante disso temos que estar bem atentos ao que lemos, ouvimos e vemos na internet: podemos criar dogmas fictícios, errôneos por influência da mídia. Hoje em dia, na era da informação rápida, conexão super-rápidas somos bombardeados por informações de todos os lados. Estamos no período da humanidade que mais se produz informação: nos jornais, revistas, tv's, blog, etc. São diversos os meios que a evolução nos proporcionou, e temos que aproveitá-las por demais, pois nunca foi tão fácil saber das notícias, da história, de vários assuntos de nosso interesse. Nos mais variados sites da internet, temos conteúdos voltados à educação, saúde, lazer: nunca foi tão fácil aprender e ens…

Resenha do livro 1808, de Laurentino Gomes

1808, de Laurentino Gomes
Título : 1808
Autor : Laurentino Gomes
Ano: 2008
Onde Comprar: AmericanasSubmarinoLivraria Cultura Saraiva Este é o primeiro livro do autor paranaense Laurentino Gomes. O autor, que não é um historiador de formação, mostra seu talento na narrativa do seu livro-reportagem com observações bastante cabíveis sobre D. João VI e das peculiaridades da corte que veio fugida para o Brasil.
D. João
O livro tem como seu principal personagem D. João VI, príncipe regente que viria a ser rei de Portugal com a morte de sua mãe, D. Maria I. Laurentino descreve o rei como sendo um sujeito tomado pelo medo de tomar decisões, deixando-as sempre para a última hora. Sempre que podia adiava decisões importantes, adiava, e quando as tomava, tinha sempre por trás a palavra de seus conselheiros, em especial D. Rodrigo de Sousa Coutinho ou o Conde de Linhares.
Fugidos
 A vinda da família real ao Brasil não aconteceu dos mais belos modos e nem por vontade deles. Àquele tempo, Napoleão Bonaparte…

Resenha do livro As religiões que o mundo esqueceu

Uma obra que merece ser lida por todos para que possamos compreender o que somos hoje, mesmo que professemos religiões diversas. O livro é uma base para a compreensão histórica e social das transformações, agregações, mortes e agregações que todas as religiões que existiram e que ainda existem sofreram.
O livro é organizado por Pedro Paulo Funari, pesquisar brasileiro dedicado principalmente a arqueologia. O livro é composto por textos do próprio Paulo Funari, Alexandre Navarro, Ana Donnard, Betty Mindlin, Flávia Galli Tatsch, Johnni Langer, Júlio Cesar Magalhães, Júlio Gralha, Leandro Karnal, Luiz Alexandre Rossi, Paulo Nogueira, Renata Senna Garraffoni e Sérgio Alberto Feldman, todos autores com enorme conhecimento em diversas áreas históricas.
Como o próprio título sugere, o livro trata das religiões antigas que o mundo esqueceu, morreram, não existem mais. O livro divide-se em capítulos dedicados a cada religião, como a dos egípcios, gregos, celtas, vikings, coptas, albigenses, c…