Prólogo

A ambição degrada a alma humana. Sempre vil e arrogante, a índole maior humana não é grande o bastante para ver o quanto é má, fria e pobre.
Muitos ricos de dinheiro, com mitos carros, mansões e iates não conseguem ter o que é a essência do ser humano : A dignidade. A diginidade e a bondade movem o mundo, ao contrário dos que pensam que é o dinheiro. A matéria com o tempo degrada-se e morre, acaba. Os verdadeiros sentimentos crescem com o tempo, sejam eles bons ou ruins.
O passado, imutável. Sempre devemos confiar no passado. É o único retrato que temos para nos basear. O único espelho que lhe mostra a verdade, mesmo nas entrelinhas.  Não adianta falar em futuro. Estamos cegos em relação a ele, no presente é que nos fazemos melhores.
O futuro incerto e a índolo humana muito contribuem para uma sociedade, mesmo que seja má ou boa. Nenhum ser humano seria feliz se tudo fosse um mar de rosas. A vida não teria sentido, tudo já estaria pronto. Para que dedicar-se à uma profissão, se não haveria mercado. Para que um médico se não houvessem mais doentes.
O ser humano nunca conseguir e muito dificilmente conseguirá conviverem harmonia com o certo e o errado. Somos ora seres detestáveis ora seres de rara beleza.

Comentários

Postagens mais visitadas

A influência da mídia nos dias atuais

Resenha do livro 1808, de Laurentino Gomes

Capacidade e Incapacidade no Código Civil de 2002