O sertão - Memorial de minha avó

Sou brasileira, do sertão. Me chamo Maria, não pior que as outras, apenas forte, da natureza de um homem para no viver no grande e velho sertão.
Sempre morei aqui em Nova Russas. Sempre ao lado de meus pais em nossa humilde casa, que não deixava nimguém que estivesse sem teto ficar sem um. Moravamos eu e mais 12 irmãos, mas apenas 7 sobreviveram.
De nada tenho a reclamar da minha infância, não que tenha sido muito boa. Trabalhei muito, tinha o que comer, digo isso quando me lembro de uma cena muito forte, marcante para mim: meu primo morto, de fome, sede, seco e fedentino sob a luz do sol de setembro de 1958.
Meu trabalho era pesado: capinar, cortar lenha...mas fazia com muito gosto e até me orgulhava disso. Por tanto trabalhar nunca fui à escola, nunca sobrava tempo e era muito caro, cerca de 2 alqueires de feijão por aluno a cada ano.
Vivenciei 3 grandes secas:23, 58 e 70. Na seca de 32 tinha apenas 5 anos, não lembro-me tanto. Já a de 58 foi a apior que já vivi, choveu apenas 1 vez no ano. Passei 8 meses no Ipú, onde havia barracas do governo que davam ajuda as pessoas que não tinham o que comer. Quando as barracas foram embora, tivemos que ir para o Maranhão, fomos a pé. Chegando lá o tempo era de fartura, muita comida, água, felicidade. Tínhamos que voltar. Na volta aqui já estava verde, a mata estava grande, o sertão tinha ganhado vida novamnete, mas ainda não tinha o que comer, as únicas coisas que tinham era maxixe, mutamba.
A de 70 já havia mais infraestrutura por parte do governo para ajudar quem passava fome no sertão. Eles empregavam o povo para construir açudes e distribuiam alimentos. Lembro que meu marido ia trabalhar no Ararendá, há uns 50 quilômetros.
As pessoas veêm o sertão como um lugar de dificuldade, ruim, mas aqui também há ciosa boa, histórias, música...enfim, o que um lugar bom tem. O povo, apesar de ser discriminado, é um povo hospitaleiro, legal.
Não é nada do que falam sobre eles.
Acabo por aqui, se achou legal, comente.

Comentários

  1. As coisas não eram faceis,tudo era muito escarço naquela época ,alem do sofrimento da necessidade ainda existia a seca,meu võ me falou muito desses tempos,gostei do memorial parabens!

    ResponderExcluir
  2. Premiado: ganhei o premio da escola...vlw pela força.

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas

A influência da mídia nos dias atuais

Resenha do livro 1808, de Laurentino Gomes

Resenha do livro O Guia do Mochileiro das Galáxias, de Douglas Adams