Pular para o conteúdo principal

O sertão - Memorial de minha avó

Sou brasileira, do sertão. Me chamo Maria, não pior que as outras, apenas forte, da natureza de um homem para no viver no grande e velho sertão.
Sempre morei aqui em Nova Russas. Sempre ao lado de meus pais em nossa humilde casa, que não deixava nimguém que estivesse sem teto ficar sem um. Moravamos eu e mais 12 irmãos, mas apenas 7 sobreviveram.
De nada tenho a reclamar da minha infância, não que tenha sido muito boa. Trabalhei muito, tinha o que comer, digo isso quando me lembro de uma cena muito forte, marcante para mim: meu primo morto, de fome, sede, seco e fedentino sob a luz do sol de setembro de 1958.
Meu trabalho era pesado: capinar, cortar lenha...mas fazia com muito gosto e até me orgulhava disso. Por tanto trabalhar nunca fui à escola, nunca sobrava tempo e era muito caro, cerca de 2 alqueires de feijão por aluno a cada ano.
Vivenciei 3 grandes secas:23, 58 e 70. Na seca de 32 tinha apenas 5 anos, não lembro-me tanto. Já a de 58 foi a apior que já vivi, choveu apenas 1 vez no ano. Passei 8 meses no Ipú, onde havia barracas do governo que davam ajuda as pessoas que não tinham o que comer. Quando as barracas foram embora, tivemos que ir para o Maranhão, fomos a pé. Chegando lá o tempo era de fartura, muita comida, água, felicidade. Tínhamos que voltar. Na volta aqui já estava verde, a mata estava grande, o sertão tinha ganhado vida novamnete, mas ainda não tinha o que comer, as únicas coisas que tinham era maxixe, mutamba.
A de 70 já havia mais infraestrutura por parte do governo para ajudar quem passava fome no sertão. Eles empregavam o povo para construir açudes e distribuiam alimentos. Lembro que meu marido ia trabalhar no Ararendá, há uns 50 quilômetros.
As pessoas veêm o sertão como um lugar de dificuldade, ruim, mas aqui também há ciosa boa, histórias, música...enfim, o que um lugar bom tem. O povo, apesar de ser discriminado, é um povo hospitaleiro, legal.
Não é nada do que falam sobre eles.
Acabo por aqui, se achou legal, comente.

Comentários

  1. As coisas não eram faceis,tudo era muito escarço naquela época ,alem do sofrimento da necessidade ainda existia a seca,meu võ me falou muito desses tempos,gostei do memorial parabens!

    ResponderExcluir
  2. Premiado: ganhei o premio da escola...vlw pela força.

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

A influência da mídia nos dias atuais

Tanto fiel é sua mídia quanto fiel é o seu povo! As emissoras de TV, rádio e principalmente a internet, principal meio de comunicação utilizado por nossa geração influencia mais do que imaginamos. Textos com manipulação, com sentido controverso ou ''puxando sardinha'' para X ou Y são frequentes. Diante disso temos que estar bem atentos ao que lemos, ouvimos e vemos na internet: podemos criar dogmas fictícios, errôneos por influência da mídia. Hoje em dia, na era da informação rápida, conexão super-rápidas somos bombardeados por informações de todos os lados. Estamos no período da humanidade que mais se produz informação: nos jornais, revistas, tv's, blog, etc. São diversos os meios que a evolução nos proporcionou, e temos que aproveitá-las por demais, pois nunca foi tão fácil saber das notícias, da história, de vários assuntos de nosso interesse. Nos mais variados sites da internet, temos conteúdos voltados à educação, saúde, lazer: nunca foi tão fácil aprender e ens…

Resenha do livro 1808, de Laurentino Gomes

1808, de Laurentino Gomes
Título : 1808
Autor : Laurentino Gomes
Ano: 2008
Onde Comprar: AmericanasSubmarinoLivraria Cultura Saraiva Este é o primeiro livro do autor paranaense Laurentino Gomes. O autor, que não é um historiador de formação, mostra seu talento na narrativa do seu livro-reportagem com observações bastante cabíveis sobre D. João VI e das peculiaridades da corte que veio fugida para o Brasil.
D. João
O livro tem como seu principal personagem D. João VI, príncipe regente que viria a ser rei de Portugal com a morte de sua mãe, D. Maria I. Laurentino descreve o rei como sendo um sujeito tomado pelo medo de tomar decisões, deixando-as sempre para a última hora. Sempre que podia adiava decisões importantes, adiava, e quando as tomava, tinha sempre por trás a palavra de seus conselheiros, em especial D. Rodrigo de Sousa Coutinho ou o Conde de Linhares.
Fugidos
 A vinda da família real ao Brasil não aconteceu dos mais belos modos e nem por vontade deles. Àquele tempo, Napoleão Bonaparte…

Resenha do livro As religiões que o mundo esqueceu

Uma obra que merece ser lida por todos para que possamos compreender o que somos hoje, mesmo que professemos religiões diversas. O livro é uma base para a compreensão histórica e social das transformações, agregações, mortes e agregações que todas as religiões que existiram e que ainda existem sofreram.
O livro é organizado por Pedro Paulo Funari, pesquisar brasileiro dedicado principalmente a arqueologia. O livro é composto por textos do próprio Paulo Funari, Alexandre Navarro, Ana Donnard, Betty Mindlin, Flávia Galli Tatsch, Johnni Langer, Júlio Cesar Magalhães, Júlio Gralha, Leandro Karnal, Luiz Alexandre Rossi, Paulo Nogueira, Renata Senna Garraffoni e Sérgio Alberto Feldman, todos autores com enorme conhecimento em diversas áreas históricas.
Como o próprio título sugere, o livro trata das religiões antigas que o mundo esqueceu, morreram, não existem mais. O livro divide-se em capítulos dedicados a cada religião, como a dos egípcios, gregos, celtas, vikings, coptas, albigenses, c…