Pular para o conteúdo principal

O filme mais longo da história do cinema?

Você jamais deve ter ouvido falar dele, mas o filme campeão em duração não poderia ter um título melhor: The Cure for Insomnia ("A Cura para Insônia", 1987). Escrito e dirigido por John Henry Timmis IV, o longa (e bota longa nisso) tem espetaculares 85 horas de duração, o que lhe garantiu lugar cativo no Guinness, o "livro dos recordes". Esse curioso filme foi desenvolvido como parte de um programa experimental, na tentativa de reprogramar o relógio biológico dos insones para que eles pudessem voltar a dormir - quem sabe durante a própria exibição do filme. The Cure for Insomnia foi mostrado pela primeira vez, na íntegra, no Instituto de Arte de Chicago, nos Estados Unidos, em 1987. A sessão começou no dia 31 de janeiro e só terminou no dia 3 de fevereiro. Curioso sobre a história apresentada? Pois é, o pior é que o filme não tem roteiro!
O ator principal é o poeta americano L.D. Groban, que aparece em cena lendo um poema épico de sua autoria com mais de 4 mil páginas! À leitura da obra literária misturam-se cenas de arquivo com os mais variados temas, de videoclipes de heavy metal a cenas de sexo explícito captadas de fitas eróticas. Quem viu garante que a película tem momentos hilariantes, outros de pura genialidade, mas o que predomina mesmo é o tédio. Em 1970, outro filme-maratona ficou famoso: The Longest Most Meaningless Movie in the World ("O Filme Mais Longo e Mais Sem Sentido do Mundo"). Exibido em algumas poucas salas de cinema na Inglaterra, ele também usava cenas de arquivo e durava 48 horas. É claro que filmes assim não entram no circuito comercial, são apenas obras experimentais. Mas Hollywood também tem uma quedinha por produções duradouras, como você pode conferir na página ao lado.
Dez filmes hollywoodianos com horas e mais horas de duração 1. CLEÓPATRA (1963)
Duração: 4h03
Com a atriz Elizabeth Taylor no papel-título da rainha do Egito, o filme lidera a lista de longas produções de Hollywood, mas o diretor Joseph L. Mankiewicz queria mais: sua idéia original era fazer de Cleópatra dois filmes com três horas de duração cada um!
2. E O VENTO LEVOU (1939)
Duração: 3h42
O maior clássico da história do cinema narra as agruras da jovem Scarlett O’Hara durante a Guerra Civil Americana (1861-1865). O filme já começou grandioso: para o papel principal - que ficou com a atriz inglesa Vivien Leigh - foram entrevistadas 1 400 candidatas.
3. LAWRENCE DA ARÁBIA (1962)
Duração: 3h42
Dirigido por David Lean, o filme narra a história do aventureiro tenente inglês T.E. Lawrence (Peter O’Toole). Pouco acontece durante as mais de três horas: não há batalhas sangrentas ou dilemas amorosos. No entanto, poucos filmes fotografaram o deserto de maneira tão bela.
4. OS DEZ MANDAMENTOS (1956)
Duração: 3h40
Esse épico bíblico narra toda a história de Moisés. E haja horas para mostrar seu nascimento, o período de escravidão, a fuga do Egito, a apresentação dos dez mandamentos... A megaprodução levou o Oscar de efeitos especiais.
5. O PORTAL DO PARAÍSO (1980)
Duração: 3h39
Este já apareceu em mundo estranho (edição 21) como um dos maiores fracassos de bilheteria da história. Também, pudera, apesar da longa duração, os críticos o condenam por um "detalhe": falta uma história. O enredo, sobre disputas de terra no Velho Oeste, é bastante confuso e arrastado.
6. BEN-HUR (1959)
Duração: 3h32
O filme narra a história do judeu Ben-Hur (Charlton Heston), que decide enfrentar o Império Romano. Vale a pena esperar horas para assistir à memorável corrida de bigas entre Ben-Hur e seu rival Messala, um grande momento da história do cinema.
7. O SENHOR DOS ANÉIS - O RETORNO DO REI (2003)
Duração: 3h30
O diretor Peter Jackson levou para as telas e transformou num grande sucesso o romance épico O Senhor dos Anéis, do escritor inglês J.R.R. Tolkien. O filme O Retorno do Rei é o terceiro e o mais longo da série.
8. SPARTACUS (1960)
Duração: 3h18
Kirk Douglas é Spartacus, um escravo que se rebela contra o Império Romano. Dirigido pelo cineasta americano Stanley Kubrick, o filme ganhou quatro Oscars: ator coadjuvante (Peter Ustinov), direção de arte, fotografia e figurino.
9. A LISTA DE SCHINDLER (1993)
Duração: 3h17
Dirigido por Steven Spielberg, o filme conta a história do alemão Oskar Schindler (Liam Neeson), que durante a Segunda Guerra salvou mais de mil judeus dos campos de concentração. O filme faturou sete Oscars.
10. TITANIC (1997)
Duração: 3h15
As mais de três horas de duração para contar a história do naufrágio desse transatlântico valeram a pena: ainda hoje Titanic está em primeiro lugar no ranking das maiores bilheterias do cinema em todos os tempos, com um faturamento de mais de 1 bilhão de dólares.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

A influência da mídia nos dias atuais

Tanto fiel é sua mídia quanto fiel é o seu povo! As emissoras de TV, rádio e principalmente a internet, principal meio de comunicação utilizado por nossa geração influencia mais do que imaginamos. Textos com manipulação, com sentido controverso ou ''puxando sardinha'' para X ou Y são frequentes. Diante disso temos que estar bem atentos ao que lemos, ouvimos e vemos na internet: podemos criar dogmas fictícios, errôneos por influência da mídia. Hoje em dia, na era da informação rápida, conexão super-rápidas somos bombardeados por informações de todos os lados. Estamos no período da humanidade que mais se produz informação: nos jornais, revistas, tv's, blog, etc. São diversos os meios que a evolução nos proporcionou, e temos que aproveitá-las por demais, pois nunca foi tão fácil saber das notícias, da história, de vários assuntos de nosso interesse. Nos mais variados sites da internet, temos conteúdos voltados à educação, saúde, lazer: nunca foi tão fácil aprender e ens…

Resenha do livro 1808, de Laurentino Gomes

1808, de Laurentino Gomes
Título : 1808
Autor : Laurentino Gomes
Ano: 2008
Onde Comprar: AmericanasSubmarinoLivraria Cultura Saraiva Este é o primeiro livro do autor paranaense Laurentino Gomes. O autor, que não é um historiador de formação, mostra seu talento na narrativa do seu livro-reportagem com observações bastante cabíveis sobre D. João VI e das peculiaridades da corte que veio fugida para o Brasil.
D. João
O livro tem como seu principal personagem D. João VI, príncipe regente que viria a ser rei de Portugal com a morte de sua mãe, D. Maria I. Laurentino descreve o rei como sendo um sujeito tomado pelo medo de tomar decisões, deixando-as sempre para a última hora. Sempre que podia adiava decisões importantes, adiava, e quando as tomava, tinha sempre por trás a palavra de seus conselheiros, em especial D. Rodrigo de Sousa Coutinho ou o Conde de Linhares.
Fugidos
 A vinda da família real ao Brasil não aconteceu dos mais belos modos e nem por vontade deles. Àquele tempo, Napoleão Bonaparte…

Resenha do livro As religiões que o mundo esqueceu

Uma obra que merece ser lida por todos para que possamos compreender o que somos hoje, mesmo que professemos religiões diversas. O livro é uma base para a compreensão histórica e social das transformações, agregações, mortes e agregações que todas as religiões que existiram e que ainda existem sofreram.
O livro é organizado por Pedro Paulo Funari, pesquisar brasileiro dedicado principalmente a arqueologia. O livro é composto por textos do próprio Paulo Funari, Alexandre Navarro, Ana Donnard, Betty Mindlin, Flávia Galli Tatsch, Johnni Langer, Júlio Cesar Magalhães, Júlio Gralha, Leandro Karnal, Luiz Alexandre Rossi, Paulo Nogueira, Renata Senna Garraffoni e Sérgio Alberto Feldman, todos autores com enorme conhecimento em diversas áreas históricas.
Como o próprio título sugere, o livro trata das religiões antigas que o mundo esqueceu, morreram, não existem mais. O livro divide-se em capítulos dedicados a cada religião, como a dos egípcios, gregos, celtas, vikings, coptas, albigenses, c…