Pular para o conteúdo principal

Postagens

A extinção do respeito

Já vemos há pelo menos 2 anos a ascensão de uma direita conservadora em muitos países do ocidente. Não haveria nada de mais nisso, afinal, sempre fomos separados por essa dicotomia irracional.
Contudo, essa crescente massa conservadora não clama apenas por debater seus ideiais e tentar enfiar goela abaixo muitos falsos moralismos, eles querem mais dessa vez, talvez tentando recriar um velho quadro, que pelas graças da iluminação das mentes estava até então guardado, sem muita figuração, como algo a não ser repetido.
Ser alguém conservador não é algo errado, assim como ser liberal também não é. O problema acontece quando isso passa a ser um ideal que você acha que deva ser também o de outras pessoas, afinal, é o seu ideal e é o melhor que há. É óbvio que há nisso muito egoísmo.
No início do século passado, não tínhamos algo que hoje potencializa a voz dessa massa de chatos: as redes sociais. Naqueles anos iniciais do século XX, as informações circulavam com bem menos velocidade, para b…
Postagens recentes

Lula 2018, uma utopia?

Pouco tempo depois do TRF4 confirmar a sentença condenatória de Lula, o PT oficializou que terá como candidato à presidência da república Luiz Inácio Lula da Silva. No entanto,  tanto adiantamento pode ser frustrado tão logo seja dado início o cumprimento de sentença do então condenado. Ocorre que em 2016 o STF decidiu que o início da execução penal já se inicie quando da condenação em segunda instância,  o que ocorreu com Lula. Logo, pelo menos em tese, Lula já pode ser preso.A defesa de Lula, por outro lado, baseia-se no texto constitucional que trata como condenado somente aquele que já esteja com sentença condenatória transitada em julgado,  ou seja, quando não couber mais nenhum recurso. Usando de tal tese, Lula ainda poderia recorrer e não ser preso.Hoje, dia 30, o defesa de Lula impetrou habeas corpus preventivo tentando coibir eventual mandado de prisão contra o ex-presidente,  no entanto,  tal HC restou julgado improcedente. Cabe agora aguardar as cenas desse próximo capítulo…

Resenha do livro O guia politicamente incorreto da economia brasileira

Como você reagiria se tudo o que você aprendeu ou tudo o que lhe ensinaram até hoje é, em parte, mentira! E se o salário mínimo, ao invés de causar bem ao trabalhador, lhe tira o emprego? E a CLT e as leis trabalhistas, será que que se lhe contassem como ela causa desemprego você acreditaria?
Pois é esse o ponto do livro: desmistificar e, creio eu, com argumentos bastante convincentes , os mitos que sempre acreditamos e que muitas vezes julgamos loucos quem tomasse tais medidas.
O livro vai na ferida de muita gente, principalmente na galera da esquerda e dos sindicatos, os principais criticados no livro. Você paga a contribuição sindical obrigatória e esse dinheiro vai pro sindicato. Mas ele faz o quê com ele? Ninguém sabe ao certo.
Outro ponto de fundamental importância no livro é a discussão do liberalismo econômico e da abertura de mercado ao capital estrangeiro. Como os governos fazem para proteger empresários
nacionais gananciosos ao custo do nacionalismo irracional. O célebre c…

Resenha do livro O guia politicamente incorreto dos presidentes da república, de Paulo Schmidt

O livro, como o título tão famoso do politicamente incorreto sugere, desmistifica ações e pessoas que eram quase que intocáveis na visão do povo. O livro é muito bom, no entanto, não deve ser a única fonte de leitura para quem quer saber pelo menos o mínimo sobre a nossa pequena história presidencial.
O livro é tendencioso em algumas partes, mas afinal, o que deveríamos esperar? Sempre é bom saber os dois lados da moeda, por isso, leiam livros de ideologias contrárias também! Com toda a certeza esse livro irá lhe render boas risadas e se você for lê-lo em público, é melhor se controlar. Li o livro durante o trajeto das barcas Rio-Niterói e o livro sempre me arrancava risadas boas. Parecia muito maluco no meio daquele povo de terno quando  gargalhava sobre os apetrechos dos presidentes ou das bizarras descrições do autor sobre os hábitos presidenciais.
Como todos os guias politicamente incorretos, o autor põe fatos e argumentos com certa autoridade e base. Cita vários economistas impor…

A indústria literária

No mundo de hoje, a influência das redes sociais no contexto das relações individuais influenciam cada vez mais o modo de agir de cada um de nós. O status importa muito mais do que mesmo o ato em si. Fazer com que os outros saibam quem é você e o que você faz tornou-se muito importante a ponto de chegar a ser instintivo e objetivo pessoal.
Mas o que isso tem a ver com leitura, afinal?
Qual a impressão que você tem ao ver uma pessoa lendo um livro? A impressão que você teria ao vê-lo sem o livro seria a mesma?
No Brasil, onde se lê pouco, não é algo fácil encontrar alguém lendo um livro. Fato é que no geral, lemos apenas 4,7 livros por ano, segundo uma pesquisa de 2007. De lá para cá, esse número vem caindo ainda mais.
O número de livros vendidos e o faturamento das livrarias aumentaram de 2007 para cá, ao passo que o número de leitores vem diminuindo.
O marketing e principalmente o apelo das livrarias é grande. Grande demais. Pelo que percebo, hoje o livro tornou-se mais um objeto de…

Congresso podre, culpa do povo?

O nosso Congresso Nacional é composto pelo Senado federal, composto por representantes dos Estados da federação e pela Câmara dos Deputados, composta por Deputados Federais, representantes do povo. No Brasil adotamos o sistema representativo, ou seja, votamos em políticos para que os mesmos representem nossa vontade. Há o sistema majoritário, no qual o voto é nominal, a exemplo os votos para Presidente da República, Governador, etc. e há também o sistema proporcional, pelo qual votamos em determinado partido ou coligação - que tem cunho ideológico - que terá determinada porcentagem de vagas de acordo com o número de votos. Diante do exposto acima, é forçoso notar que a grande maioria da população desconhece a estrutura do poder legislativo. Uma pessoa comum vota no deputado X, que pertence a um partido ou coligação, que terá uma porcentagem de vagas dependendo da quantidade de votos recebida. Mas para o leigo, o voto não é para o partido, a ideologia, mas sim para o próprio deputado.…

Resenha do livro As religiões que o mundo esqueceu

Uma obra que merece ser lida por todos para que possamos compreender o que somos hoje, mesmo que professemos religiões diversas. O livro é uma base para a compreensão histórica e social das transformações, agregações, mortes e agregações que todas as religiões que existiram e que ainda existem sofreram.
O livro é organizado por Pedro Paulo Funari, pesquisar brasileiro dedicado principalmente a arqueologia. O livro é composto por textos do próprio Paulo Funari, Alexandre Navarro, Ana Donnard, Betty Mindlin, Flávia Galli Tatsch, Johnni Langer, Júlio Cesar Magalhães, Júlio Gralha, Leandro Karnal, Luiz Alexandre Rossi, Paulo Nogueira, Renata Senna Garraffoni e Sérgio Alberto Feldman, todos autores com enorme conhecimento em diversas áreas históricas.
Como o próprio título sugere, o livro trata das religiões antigas que o mundo esqueceu, morreram, não existem mais. O livro divide-se em capítulos dedicados a cada religião, como a dos egípcios, gregos, celtas, vikings, coptas, albigenses, c…